Para inspirar a semana

18.6.12

Fonte da imagem: http://agoodthinghappened.com/

Outono
A primavera é linda, cheia de cores, cios e odores. Mas não me comove. Não encontro nela lugar para a saudade. Por isso lhe falta aquela gota de tristeza, que mora em toda obra de arte. É que ela existe na paradisíaca inconsciência do fim... O verão é diferente. Excita meu lado de fora, e me transforma em sol, céu e mar. Misturo-me com seu universo luminoso, quente e suarento, cheio de cachoeiras e limonadas geladas. Tudo me convida a não pensar. A só rir, gozar, usufruir... Mas o outono me chama de volta. Devolve-me à minha verdade. Sinto então a dor bonita da nostalgia, pedaço de mim, de que não posso me esquecer... O céu, azul profundo, as árvores e a grama de um outro verde, misturados com o dourado dos raios de sol inclinados. Tudo fica mais pungente ao cair da tarde, pelo frio, pelo crepúsculo, o que revela o parentesco entre o outono e o entardecer. O outono é o ano que entardece.

Rubem Alves - Ostra feliz não faz pérola

Veja também

5 Comentários

  1. Que lindo, amo Rubem Alves!
    Mas discordo desse pensamento, que ostra feliz não faz pérola... Se bem que hoje, o outono chegou cedo por aqui e me faz lembrar que certas dores serão sempre como o entardecer. Belo. E se repetirão, mesmo que não o vejamos... Bjs, flor!

    ResponderExcluir
  2. Oi Dani!
    Esse livro do Rubem Alves é lindo, como todos os livros dele hehehe. Ele compara a dor da ostra ao fazer a pérola com a inquietação do artista ao produzir uma obra, aquela coceirinha nas ideias. Achei digno compartilhar na despedida do outono, amo essa estação. Também sou um pouco outonal. Beijão, ótima semana pra ti! :*

    ResponderExcluir
  3. Lidi, obrigado pelo soprar de folhas! Ótima semana para você também, um grande abraço e continue ventando!

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e pelo comentário.
Saiba mais sobre os termos de uso do blog clicando aqui.

Subscribe