Revirando o baú de achados

3.9.12

Olá pessoal!

Hoje resolvi revirar o baú. Mexer nas coisas que estão guardadas não só em caixas, mas também no coração e na memória. Coisas que me ajudaram em minha constituição como desenhista, acadêmica e como pessoa. Conheçam agora um pouquinho de todo esse mofo, que ajudou a transformar a tia Lidy no que ela é hoje ;)



A imagem acima é de um caderno de receitas da minha mãe. Eu passava a limpo todas as receitas que ela via na TV, e fazia questão de decorar bem a página. Adorava um caderno de poesias que ela escreveu quando jovem, cheio de ilustrações, acho que veio daí meu fascínio por agregar desenho e poesia, nada é por acaso. Ainda guardo esse caderno:


Muito antes de entrar para a faculdade, lá na minha pré-adolescência, eu fiz um curso pelo (momento Jurassic Park) Instituto Universal Brasileiro! E fiz questão de guardar as apostilas de desenho e pintura, que são muito didáticas e me ajudaram inclusive a dar aula. É... minha gente, eu não sou da era do tutorial no YouTube, não...


Tirando esse curso do IUB, nunca fiz aulas de desenho antes de entrar para faculdade, além das aulas de Artes da escola. Mas sempre estive rodeada por livros, desde os clássicos infantis, até a Coleção Vaga-Lume da minha irmã (hoje eu estou me puxando na naftalina), passando por aqueles almanaques e coleções que a Zero Hora publicava. Desses últimos, eu amava as ilustrações de um livro sobre os signos, olhem só a representação de Vênus, bem semelhante à do Botticelli:


Mas eu adorava mesmo era pegar os livros de corte e costura da minha mãe, com mulheres elegantes e roupas ricamente desenhadas, com todos aqueles tecidos e babados. No início eu copiava mesmo, depois fazia uns Frankensteins com o rosto de uma mulher, a roupa de outra... pena que não tenho nenhum desses registros guardados para mostrar, mas fica aqui uma imagem dos livros, que minha mãe ainda tem (nós adoramos guardar um cacareco, como deu para perceber):


Daí, na adolescência, foi a época do mangá e das histórias em quadrinhos, até que eu chegasse na faculdade. Desse período também não tenho registros, pois não costumava guardar meus desenhos - é sério. Hoje, nem pensaria em colocar um esboço fora, mas naquela época sei lá o que se passava pela minha cabeça... mas deixo aqui alguns trabalhos realizados durante a disciplina de Desenho II na faculdade:


E este trabalho aqui, que não sei se já mostrei, foi premiado na etapa municipal do Salão Sesi Descobrindo Talentos de 2007, indo para a etapa regional, posteriormente.


Bom gente, era isso. Eu realmente não sei se vocês gostam quando faço esses posts delirantes, mas para mim é muito legal poder contar um pouco da minha história. E aproveito para deixar o link de outro espaço que acabei de criar. Chama-se Daydreams, e é totalmente dedicado aos devaneios escritos que às vezes eu compartilho aqui.

Abraços,
Lidiane :-)

Veja também

4 Comentários

  1. Adoro esse "cheirinho" nostálgico de infância... hoje em dia não tenho mais registros tão antigos assim (acho que o mais próximo é 14 anos), mas eu acho tão legal e interessante abrir o baú de vez em quando... até pouco tempo me pegava lendo meu diário de 2005 (quando eu tinha 14 anos) e fervia... Ia em shows da Cidadão Quem, jogava bolinha de papel no ventilador, corria pelos corredores da 8ª série... enfim. Dá saudade só de pensar!
    Muito bacana teu post!!

    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi Bruna

    Muita coisa se perdeu com o tempo, mas o que ficou guardo com todo o carinho hehehehe

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Adorei, olha a cada dia que dou uma passadinha por aqui conheço mais um pouco da Lidy. E, olha que já conheço essa Lidy á um bom tempo. Estou adorando e me inspirando cada vez mais.Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Dê! Tô adorando ver teu blog movimentado, mas não consigo postar comentários lá! Tu me falaste do layout, dá uma olhada neste blog aqui, que tem uns templates bem legais http://thecutestblogontheblock.com/

      E nem me fala em conhecer a Lidy, estavas presente naquele momento do "isto que tu desenhas é muito fácil..." e sabes o quanto aquilo me doeu, o quanto lutei pra superar e me desprender daquilo que não me fazia bem. Estivemos presentes em momentos bem difíceis da vida uma da outra e nos conhecemos só de olhar... sabes que te adoro muito, que sempre poderás contar comigo, para tudo!

      Saudades das nossas risadas!

      Beijão :*

      Excluir

Muito obrigada pela visita e pelo comentário.
Saiba mais sobre os termos de uso do blog clicando aqui.

Subscribe