Trabalhando com poucos materiais

Por - 15.1.16


Às vezes nossos hábitos acabam nos limitando um pouco. Eu amo misturar materiais com texturas diferentes, é bem comum usar na mesma ilustração: grafite, lápis de cor, marcador, pastel seco, e por aí vai. Porém, esse costume me deixa super desconfortável quando quero sair de casa, por exemplo, e levar material de desenho comigo. Afinal de contas, o que escolher diante de tantas opções?

Dando continuidade aos estudos que venho realizando, tentei reduzir o número de itens na hora de trabalhar. Separei um estojo pequeno e me limitei a colocar ali o essencial. Detalhe: sem lápis e borracha! Não condeno o uso de borracha, como outras pessoas, não acho que tenha alguma coisa errada com isso. O problema é achar que só vai ficar realmente bom se o traço estiver super limpo.

A partir daí, comecei minha jornada, sabendo que precisaria misturar aquarela se quisesse tons diferentes, que se errasse a proporção, o risco não poderia ser apagado da folha, que se a tinta manchasse, as marcas ficariam no papel. E para uma pessoa cricri e certinha como eu, essa é uma experiência valiosa e altamente recomendável.


Os materiais que fazem parte da minha rotina, atualmente, são:
- Sketchbook para aquarela tamanho A5;
- Aquarela em pastilha (das marcas Koh-I-Noor e Winsor & Newton);
- Caneta esferográfica nas cores: rosa, azul, roxo, verde;
- Pincel com reservatório;
- Caneta multiliner 0.5 ou marcador permanente preto;
- Caneta branca.



O que trabalhar com material reduzido me ensinou: que nem toda limitação é ruim e que existe valor e beleza nos "erros". Claro que essa é uma experiência muito pessoal, como tudo que coloco aqui. Não estou obrigando os leitores a, a partir de hoje, usar somente um tipo de material nos seus estudos, cada pessoa é livre para experimentar o quanto quiser, e se não se sentir bem trabalhando apenas com caneta, por exemplo, fique à vontade para cercar-se de coisas que garantam a boa execução do seu desenho. O importante é ser feliz, sempre. :) 

O próximo passo é trabalhar com grafite numa só graduação, sem auxílio de esfuminho e borracha. E reduzir a paleta de cores das ilustrações, exercício que a Juliana Rabelo faz muitíssimo bem.

Veja também

10 Comentários

  1. Te entendo perfeitamente, concordo na questão da borracha, dependendo da ilustração que quero fazer não gosto de usá-la, as vezes até me esqueço que ela existe. Quem me acompanha no blog até sabe que eu adoro o esboço do que a arte pronta. Acho muito atraente os primeiros rabiscos, todos aqueles riscos são mais fascinantes do que um desenho totalmente limpo.

    https://www.facebook.com/izabellacordeiroilustra/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Izabella! Eu sou completamente apaixonada pelos primeiros traços de várias ilustrações, tanto que sempre fotografo para guardar a referência, e chego a ficar com dó de colorir, muitas vezes. Também guardo todos os rascunhos, tenho a sensação de que a mão é muito mais leve do que na hora de arte-finalizar :D
      Bjs :*

      Excluir
  2. nunca pertencerei ao time minimalista asuhasuahs!nem fora de casa consigo desenhar-pintar pq uso um batalhão de coisas...tô mal acostumada =P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaha eu uso um monte de coisas e mesmo assim chego a esquecer de certos materiais, como as minhas canetas da Magic Color! Por isso vou começar a fazer um rodízio com poucas coisas, até pra gastar isso que fica nas gavetas e não tenho ideia de comprar novamente. ;)
      Bjs :*

      Excluir
  3. Lidy, eu também usava muitos materiais, foi algo que aprendi na única disciplina de desenho da faculdade, pra fazer rendering de produtos usando uma mídia com a qual você conseguisse representar um certo material com mais facilidade. Isso acabou me limitando, quando saia era com uma mochila lotada porque tinha Weir levar marcador, lápis de cor, pastel seco, etc. Me forçar a tentar representar tudo só com um material foi um dos melhores exercícios que fiz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Bella, esse "vício"eu adquiri por ser ermitona mesmo e passar muito tempo dentro de casa, não ter o costume de desenhar na rua. Por tudo estar sempre tão à mão, ficou difícil trabalhar com pouca coisa. Agora que já perdi o medo dos olhares alheios, precisei me conter, e foi um ótimo exercício para cada vez mais perder o medo de usar tinta <3
      Bjs :*

      Excluir
  4. Esse tipo de exercício deve ser muito bom mesmo, aliás, acho que sempre sair da zona de conforto, é um ótimo exercício. Eu geralmente uso um ou dois materiais nos meus desenhos, mas ainda estou começando nessa jornada. O que eu não consigo ainda é diminuir a paleta de cores. Um xero ;)

    http://oimarianita.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Reduzir a paleta também é minha maior dificuldade, a solução que tenho encontrado é não fazer misturas com a aquarela, e usar somente as cores disponíveis no estojo. Mas quero treinar mais com cinzas e sépias, sempre é bom :)
      Bjs :*

      Excluir
  5. Eu já tentei reduzir meus materiais diversas vezes, mas não consigo, por isso prefiro deixar os materiais de pintura em casa e carregar o necessário para desenhar e finalizar as linhas.

    Ainda não consigo trabalhar se borracha direito, de vez em quando, trabalho com grafite vermelho para estudar, mas sinto falta da borracha.

    Gostei muito da Postagem Lidy.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mateus, obrigada! Do início do ano pra cá, já consegui reduzir bem mais a quantidade de materiais que uso, já não consigo trabalhar mais com muita coisa em volta. Acho que é porque me sinto mais segura em relação à tinta, que era algo que eu temia, e tbm porque voltei a estudar anatomia, gestual, acabei me desprendendo de uma ideia de "perfeição" que vivia buscando. (mas a borracha, ai a borracha hahaha)
      Abração!!

      Excluir

Muito obrigada pela visita e pelo comentário. Saiba mais sobre os termos de uso deste espaço clicando aqui.