Três livros sobre criatividade

Por - 5.2.16


Desde que fiz a resenha de Grande Magia, recebi muitos pedidos para indicar outras obras que tratam sobre criatividade, e que tenham um caráter mais acadêmico. Como falei naquele post, o livro da Elisabeth Gilbert não tinha a pretensão de ser um bastião da pesquisa científica, mas sim levar ao público leigo a experiência da autora sobre o assunto. Passado esse primeiro contato, existem muitos títulos que vão a fundo na questão e merecem ser lidos. Separei três que estão no meu acervo e me acompanham há mais de uma década:


Criatividade e processos de criação, Fayga Ostrower: para quem não conhece, a Fayga é uma artista visual que dedicou boa parte de sua carreira à escrita sobre o processo criativo. Sua vasta bibliografia é utilizada até hoje, destacando-se: A Sensibilidade do Intelecto, Universos da Arte, A Grandeza Humana e Criatividade e Processos de Criação. Neste livro, a autora volta sua atenção para o fazer poético e em como o meio no qual o artista está inserido interfere na sua formação. Traça uma espécie de fio condutor, que nos faz compreender as etapas que envolvem a criação, tais como: o insight, o mergulho na própria obra, o afastamento e o contexto do trabalho produzido com o seu entorno. Obra obrigatória para qualquer estudante de artes, mesmo que já tenham sido lançados outros mil livros mais atualizados.

Formar implica em transformar. Todo processo de elaboração e desenvolvimento abrange um processo dinâmico de transformação, em que a matéria, que orienta a ação criativa, é transformada pela mesma ação. (p. 51)


Filosofia da criação, Marly Meira: este livro é um pouco controverso para alguns professores. Há quem ache a Marly Meira uma daquelas autoras megalomaníacas, que escrevem a respeito de tudo e não se aprofundam em nada, mas eu discordo. Essa obra é referência de consulta até hoje e eu não hesito em indicá-la para qualquer pessoa, principalmente licenciados que trabalham com crianças e adolescentes. O trabalho do professor-criador muitas vezes não é levado a sério, isso quando há o entendimento que o arte/educador também é artista. Esse profissional, muitas vezes marginalizado, vai encontrar refúgio nas questões abordadas pela autora, que eu considero uma expansão do pensamento da Fayga. Além de pontuar as etapas do processo criativo, este livro é cheio de referências a outros artistas, filósofos e pensadores de várias áreas do conhecimento. E quem não é professor também pode ler sem medo, pois vai encontrar muito suporte teórico para suas ações.

Certos saberes, habilidades, sensibilidades só se formam criadoramente quando feitos como experimentos em arte. Esse conhecimento difere dos demais por depender de um esclarecimento que vem do pensamento em imagens e sua relação com as formas plásticas que são plasmadas por gestos poéticos e por experiências estéticas, simultaneamente. (p. 89)


Cartas a Théo, Vincent Van Gogh: este é um livro de fôlego, pois não é tarefa fácil entrar na mente de um dos maiores gênios da humanidade e descobrir suas angústias, percepções e como a doença foi tomando sua vida e interferindo diretamente no resultado da sua arte. Poucas vezes podemos ler um relato tão sincero sobre criatividade, como neste compilado de cartas que Van Gogh trocou com seu irmão e apoiador Théo. Ao longo das páginas, é possível ver um artista extremamente comprometido com sua visão de mundo e preocupado em transpor para a tela aquilo que estava na sua (perturbada) cabeça. É um daqueles livros para ler aos poucos e tentar absorver o máximo de informação.

As ideias para trabalhar me vêm em abundância, e isto faz com que, mesmo estando isolado, eu não tenha tempo para pensar ou sentir, estou feito uma locomotiva de criar. (p. 260)


[Bônus] Vincent, Barbara Stok: se você se interessou pela vida de Van Gogh, mas deseja começar por uma leitura mais leve, sugiro esta graphic novel lindíssima, que conta a história do artista de maneira sensível e ainda traz excertos de cartas que ajudam a explicar várias de suas obras primas.

Espero ter ajudado mais um pouquinho quem deseja se aventurar pelo mundo das leituras. Esses são somente três títulos da minha biblioteca particular, mas existem outros tantos que eu sequer conheço ou dos quais li apenas um capítulo ou trecho, então minha dica é: procure outras obras através de livrarias físicas e virtuais, ou então na sua escola ou faculdade. Além disso, anote autores utilizados como referência e corra atrás de outras leituras. Muitas vezes um texto serve como fio condutor para novas experiências, por isso, sempre é bom buscar mais informações e conhecimento.

Veja também

4 Comentários

  1. Lidiane vc recomenda aquele livro Roube como um artista? Eu vejo muita gente falando bem dele mas fico com medo de comprar. Vou procurar esse da Fayga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entre ele e Grande Magia, prefiro o segundo. Achei muito genérico e a palavra "roubar" me incomodou demais ao longo da leitura. Tem resenha dos dois ali na aba "Dicas", além de vários outros livros, dá uma olhadinha ;)

      Excluir
  2. Qualquer indicação sobre a arte do criar me interessa por de maaaaaais!
    Salvei suas imagens para salvar a lista dos livros!
    Obrigada!

    | A Bela, não a Fera |
    | FB Page A Bela, não a Fera|

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem mais algumas indicações na aba "Dicas", tanto sobre criação como outras áreas artísticas ;)
      Bjs :*

      Excluir

Muito obrigada pela visita e pelo comentário. Saiba mais sobre os termos de uso deste espaço clicando aqui.