2 livros de mulheres poderosas para inspirar 📚

Por - 19.6.17


Sinto falta de compartilhar as minhas leituras, principalmente se elas podem acrescentar algo significativo para quem me visita, tanto quanto acrescentaram para mim. Nem sempre o livro em questão precisa ser sobre arte ou ilustração. Às vezes só queremos tomar contato com uma história inspiradora, que nos conforte ou seja uma espécie de porto seguro quando passamos por um momento delicado. 

As duas autoras que mostrarei a seguir são mulheres poderosas, feministas, reconhecidas tanto pelo seu trabalho no mundo artístico, quanto pelo ativismo em relação aos direitos de outras mulheres e demais minorias: Amanda Palmer e Shonda Rhimes. A primeira é musicista, artista performática e autora do projeto de música mais bem sucedido da plataforma de financiamento coletivo Kickstarter. A segunda é roteirista de séries aclamadas pelo público e pela crítica, como Grey's Anatomy e Scandal.

As obras de ambas me tocaram no sentido de que eu preciso confiar mais - em mim e nos outros - e me abrir mais. E essas são as maiores dificuldades que enfrento na vida, pois é muito fácil me recolher numa concha, principalmente se algo ruim acontece. Amanda com seu jeito apaixonado de se entregar ao público e trocar experiências, e Shonda aceitando todos os convites e desafios que a paralisavam. São duas narrativas diferentes, duas experiências de aceitação guiadas por motivos distintos, mas permeadas pelo mesmo amor e vontade de tomar as rédeas da própria vida.


📚 A arte de pedir, Amanda Palmer: o livro é uma biografia de Amanda, desde os tempos em que trabalhava como estátua viva na rua, sua ascensão com a banda The Dresden Dolls, o rompimento com a gravadora e sua insatisfação com o mercado fonográfico, até o momento em que decide lançar seu próximo álbum via financiamento coletivo.

Toda a narrativa é permeada pela confiança que a artista sempre depositou em seu público, desde vender CDs na saída dos shows, dormir na casa dos fãs e gerenciar o mailing da banda pessoalmente. A rede de contatos não só possibilitou reconhecimento, como também uniu todos os envolvidos num grande processo colaborativo, e aí reside o grande ensinamento do livro: confiar para trocar e crescer junto, não para ser puramente favorecido. No mundo em que vivemos hoje, com tantos interesses em conflito mas, ao mesmo tempo, com tantas iniciativas de desenvolvimento sustentável, é maravilhoso ler o relato de quem seguiu esse caminho por puro feeling, por acreditar que podemos ser pessoas melhores se criarmos laços.

Destaque também para o relacionamento de Amanda com o escritor Neil Gaiman, de quem sou fã, e também para seu amigo Anthony, impossível não se apaixonar por ambos e desejar tomar um chá com eles e ouvir suas histórias.

Anular a possibilidade de empatia é anular a possibilidade de compreensão. Anular a possibilidade de empatia é também anular a possibilidade de fazer arte. Teatro, literatura, histórias de horror, histórias de amor. É isso o que a arte faz. Boa ou ruim, ela imagina o interior, o coração do outro, esteja esse coração cheio de luz ou aprisionado pelas trevas. - Amanda Palmer


📚 O ano em que disse sim, Shonda Rhimes: confesso que não acompanho as séries da Shondaland, quem me conhece sabe que tenho problemas com séries, acho difícil maratonar, mesmo com Netflix. Mas depois que assisti a este vídeo da Stephanie Noelle, me interessei muito pelo livro e pela figura da Shonda, e corri atrás. Pensei que encontraria mais um livro de autoajuda escrito por uma celebridade, mas me enganei para o bem: a narrativa é super gostosa e mostra como uma mulher tão poderosa estava vendo sua vida passar, por medo de se arriscar.

A partir de uma conversa com sua irmã mais velha, Shonda percebe que nunca diz sim para convites, palestras, participações em programas, até mesmo festas. Sua vida era trabalho/casa, e o medo de se expor a paralisava. Então ela decide que 2014 seria seu ano do sim, e passa a aceitar todos os desafios que se apresentam, desde gravar um especial para a TV, até fazer o discurso de formatura numa universidade. Aos poucos, a autora lida com a ansiedade e insegurança, e passa a aceitar as coisas de maneira mais natural, a se abrir para as pessoas e situações. Claro que, nesta jornada, muitas coisas vão ficando para trás, como um relacionamento amoroso e uma amizade por interesse, que só a prejudicava.

Percebi uma verdade muito simples: que o sucesso, a fama e a realização de todos os meus sonhos não me consertariam ou melhorariam. Não era uma poção instantânea para crescimento pessoal. A realização de todos os meus sonhos apenas parecia ampliar quaisquer qualidades que eu já possuía. - Shonda Rhimes


Já contei aqui sobre outro livro inspirador, Grande Magia, de Elizabeth Gilbert. Se você está passando por um bloqueio criativo, dê uma olhada no meu post, pois tenho certeza de que encontrará alguns ensinamentos preciosos. Na categoria livros é possível ver outras obras que já apareceram por aqui, em breve vou falar sobre alguns títulos que estão me ajudando a estudar anatomia. 

Me acompanhe nas redes sociais: Facebook - Instagram - Twitter - Tumblr - Pinterest

Veja também

2 Comentários

  1. Estou na metade de A Arte de Pedir, e é muita informação valiosa *o* ela me inspira muito!
    Da Shonda ainda não peguei pra ler, mas está na minha lista!

    Com amor,
    Bruna Morgan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Arte de Pedir é maravilhoso, a experiência da Amanda é muito real, ela não romantizou o viver de arte e ter que contar com o apoio do público. E o da Shonda não fica atrás, você vai gostar muito!

      Beijos :*

      Excluir

Muito obrigada pela visita e pelo comentário. Saiba mais sobre os termos de uso deste espaço clicando aqui.