Meus materiais de arte favoritos

Por - 24.5.17


As meninas do Girls Video Lab, grupo muito amor do qual participo, lançaram como tema para os vídeos do mês de maio meus materiais de arte favoritos. Já fazia um tempo que eu gostaria de mostrar uma lista do que uso, até mesmo porque muita gente me pede. Porém, no momento, não consigo gravar vídeos e atualizar o canal do YouTube (que ~misteriosamente~ triplicou o número de seguidores durante meu hiato - agradecida!). Então decidi escrever em forma de post com fotos e, assim que possível, gravo a tag.


Papel Canson Moulin DuRoy: conheci esse papel durante o curso da Sabrina e, assim que pude experimentá-lo, foi amor à primeira vista. A textura do grão fino é muito bonita, ele absorve água e tinta na medida certa e tem a melhor relação custo-benefício entre os papéis para aquarela 300g e 100% algodão, perdendo só para o Arches.


Aquarelas Van Gogh e Sennelier: minhas tintas preferidas são em bisnaga, pois consigo dosar melhor a quantidade na hora de misturar, sem contar que aquarela que sobra no godê nunca vai fora hehe. Das linhas universitárias, a Van Gogh é a melhor que já experimentei, tem cores lindíssimas (como esse rosa quinacridone que uso muito), boa pigmentação e resistência à luz, é mais barata que a Cotman e tem 3ml a mais. Já as da Sennelier são um desbunde, simplesmente. Tudo com elas fica lindo, e o grande diferencial da marca é o uso de cera de abelha na composição (para quem procura produtos veganos, não é recomendada).


Pincéis Keramik: melhores pincéis de pelo sintético que já usei, são macios, porém com a ponta firme, carregam boa quantidade de água e tinta e proporcionam conforto na hora de pintar. De cima para baixo, uso as linhas 220, 413 e 411. A Sabrina comentou que esses pincéis são parecidos com os da linha Perla, da marca Escoda, e que são uma boa alternativa nacional. Os preços são bastante acessíveis, alguns custaram menos que R$ 10. O único inconveniente é o cabo muito longo, mas eu corto com estilete e passo uma lixa fina e esmalte de unha para selar. Sobre ser de pelo sintético, só vejo vantagens, desde contribuir para o consumo consciente, até o barateamento dos custos. E não deve nada em qualidade para os de pelo natural.


Lápis Staedtler Mars Lumograph: meu amor por essa linha já é antigo, tanto que comprei logo uma caixa com uma dúzia de 4B. São muito macios, porém não esfarelam e mantêm a ponta por mais tempo que os lápis de outras marcas. Gosto de lápis bem apontado para fazer detalhes e nunca aconteceu desses quebrarem. Uso até ficar um cotoco (coloco no extensor) e a qualidade é visível na finalização de um trabalho: o Mars Lumograph tem uma das minas mais escuras de todos os grafites que já usei, o contraste fica super bonito, principalmente com aquarela. Uso um apontador da Derwent, não gosto de apontar com estilete.


Borrachas Pentel e Mono Zero: são as que melhor se comportam no papel para aquarela. A preta retira todo o grafite sem marcar e sem esfarelar demais, e a zero é perfeita para fazer detalhes e abrir luz. Uma bem baratinha, outra nem tanto, mas ambas fazem bastante diferença na finalização do trabalho.


Multiliner Copic: a linha SP é recarregável e de uma durabilidade incrível, até hoje não precisei trocar o refil da minha, e já devo tê-la há uns três anos. Já a outra é descartável, porém de longa duração também. Quanto ao pigmento, é um preto muito bonito, altamente resistente à água, ótimo para finalizar aquarelas. Também tenho o kit de sépia, que dá um efeito suave.


Marcadores Posca: utilizo ambas para detalhamento, sendo que a branca também serve para abrir luz na aquarela (aqueles pontinhos brancos nos olhos das figuras, por exemplo). Um substituto muito bom para essas canetas é o guache da Talens. Toda vez que preciso de um acabamento mais refinado, que não fique tanto com cara de marcador, troco a Posca por ele, e o resultado fica perfeito.


Lápis de cor Polycolor: já falei sobre esses lápis aqui, e continuam sendo meus favoritos da vida, com uma das melhores relações custo-benefício para os não-aquareláveis. Tenho várias latinhas com tons para retrato, paisagens, cinzas e marrons. Uso para dar acabamentos ou cobrir áreas inteiras, afinal, lápis de cor sempre ocupará um lugar carinhoso no meu coração.

Quase todos os meus materiais são comprados na loja online da Koralle (e isso não é jabá), pois compensa o valor do frete. No blog da Kris Efe tem todas as informações sobre produtos de arte veganos e cruelty free, para quem se interessou pela questão das tintas e pincéis, vale muito a sua visita.

Veja todos os meus trabalhos profissionais na aba Portfólio e também no Behance.
Me acompanhe nas redes sociais: Facebook - Instagram - Twitter - Tumblr - Pinterest

Veja também

10 Comentários

  1. Algum dia ainda vou entrar num curso de desenho de verdade, pois adoro, desde criança...mas a vida me levou para outro rumo...
    amo ver esses materiais de pintura, desenho, arte e afins
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Renata! A Sabrina Eras está com um curso online muito legal sobre ilustração e processo criativo. A Mary Cagnin também oferece workshops de desenho e aquarela.
      Beijão!

      Excluir
  2. Lidy, essa listinha sua esta um deleite.

    Dessa lista, tenho muita vontade de experimentar o bloco Moulin Du Roy, as bisnagas da Van Gogh, a Posca e os lápis de cor. Mas todos os materiais são fantásticos.

    O problema é que os blocos dessa marca são muito caros, gostaria de entender qual a diferença desse papel para o Canson Montval (que eu adorei). Você sabe me dizer?

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses blocos estão bem caros, mas mesmo assim ainda é uma alternativa mais em conta para o Arches, que está absurdamente caro. E o Canson Heritage, que vem pra competir com o Arches, ondula muito mais do que o Moulin DuRoy.
      A diferença dele para o Montval é a composição: o Moulin é 100% fibra de algodão, mais indicado para aquarela, enquanto o Montval é 100% celulose.
      Abraços!

      Excluir
  3. Amo esse tipo de post! Anda quero experimentar as aquarelas Van Gogh e Sennelier e o papel Moulin DuRoy! *_*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Preciso voltar a fazer + posts nesse estilo (:
      Esse papel é maravilhoso, ótima alternativa para o Arches, recomendo! :*

      Excluir
  4. legal você mostrar alternativas veganas, você é vegan?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nícolas! Não sou vegan, mas sempre que posso opto por produtos cruelty-free e veganos.

      Excluir
  5. Vim conferir tuas dicas para comprar o papel em que vou fazer meu novo livro. Vou usar a Aquarela a qual estou longe de dominar ainda, e vejo a necessidade de um papel que me ajude a não sofrer tanto. Gostei da fica dos pincéis 😃 o kit do Arches na koralle está na promoção sta semana..aí meu $$$$ bj!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andrea o Moulin DuRoy é um dos que tem melhor relação custo-benefício. Se você for investir num material que nunca vai te deixar na mão, investe nesse papel. O lado ruim do Arches é o preço rsrsrsrs, mas essas promoções da Koralle são boas por isso.
      Beijão!

      Excluir

Muito obrigada pela visita e pelo comentário. Saiba mais sobre os termos de uso deste espaço clicando aqui.