abrir menu

Galaxy Dancer

Tive a honra de ser convidada pela minha amiga Isabella Pessoa para compor seu projeto Ink Dancers , que entrará em breve para financiam...

18/06/2018


Deusa Beyoncé lançou clipe novo totalmente gravado no Museu do Louvre e isso é motivo mais do que suficiente para que eu traga a terceira parte do post sobre clipes musicais com referências na história da arte (veja aqui a parte 1 e aqui a parte 2).

Apes**t, The Carters

O álbum surpresa da Bey e do Jay Z veio acompanhado desse clipe maravilhoso, para o qual o casal simplesmente fechou o Louvre para gravação (#poder). Tem muita análise quadro a quadro rolando pela internet, e o que posso dizer, dentro da minha experiência no estudo da história da arte, é a importância de dois artistas negros usarem um espaço historicamente  branco/colonizador para contar sua história e dar protagonismo a um elenco também negro. Beyoncé da Samotrácia é ♥

Somebody That I Use To Know, Gotye ft. Kimbra

Esse clipe ficou de fora das outras seleções por incompetência minha, mesmo. A obra foi dirigida por Natasha Pincus e a body art que cobre os artistas via stop motion é de autoria de Emma Hack.

Dusty My Shoulders Off, Jane Zang

Certamente você já deve ter visto um gif desse clipe rolando pelo Facebook, sem saber que se tratava da cantora chinesa Jane Zang. Nele, é possível ver referências a várias obras que ganham vida, de Van Gogh a Dalí.

Do The Evolution, Pearl Jam

Um dos clipes mais clássicos da banda grunge é também uma obra-prima da animação, dirigido por Kevin Altieri e Todd McFarlane. Envolveu o trabalho de mais de cem (eu disse c-e-m) ilustradores, que tiveram em torno de um mês para finalizar as artes do clipe.

Viva La Vida, Coldplay

O clipe usa como pano de fundo o quadro A Liberdade Guiando o Povo, de Eugéne Delacroix. O próprio nome da canção foi extraído de uma obra da mexicana Frida Kahlo.

Scream, Michael Jackson ft. Janet Jackson

Um dos clipes mais caros da história da música, a colaboração futurista entre os irmãos Jackson se passa em uma nave espacial, na qual Michael visualiza e quebra algumas obras referentes a diversos períodos artísticos.

Blood, Sweat & Tears, BTS

Por fim, a banda que é sensação entre todas as minhas amigas ilustradoras tem um clipe que além de se passar em um museu, traz algumas referências a pinturas famosas e escolas artísticas.

***
Espero que tenham curtido minhas indicações, assim que eu recolher mais referências, volto para uma 4ª edição do post.

Conheça meu portfólio profissional
Me acompanhe nas redes sociais
Contato: lidiane@lidydutra.com
17/06/2018


Tive a honra de ser convidada pela minha amiga Isabella Pessoa para compor seu projeto Ink Dancers, que entrará em breve para financiamento coletivo no Catarse. Ink Dancers foi o tema que a Bella escolheu para o Inktober do ano passado, e todas as bailarinas maravilhosas que ela criou podem ser conferidas lá no Instagram. Uma delas, inclusive, é em minha homenagem e eu não poderia ter ficado mais feliz com isso.

Há três anos atrás eu já havia produzido uma bailarina, para uma escola de dança, com um cabelo de galáxia bem expressivo, e resolvi retomar o tema, só que dessa vez todo o corpo da bailarina foi coberto de estrelas e nebulosas. Deixei apenas as sapatilhas douradas em evidência.

Materiais utilizados

- Papel para aquarela Arches satinado 300g;
- Aquarelas Sennelier e Cotman;
- Guache dourado Talens;
- Canetas Pentel e Posca douradas e brancas.

Espero que a Bella tenha curtido o resultado e já estou louca para ver o artbook pronto! Assim que tiver detalhes do projeto volto aqui para divulgar, lembrando que sua ajuda é muito importante para que os sonhos dos seus artistas preferidos se tornem realidade. E para conferir o trabalho lindo da Bella e encomendar uma ilustra personalizada, é só segui-la em @bellapessoa.

Conheça meu portfólio profissional
Me acompanhe nas redes sociais
Contato: lidiane@lidydutra.com
13/06/2018


Disclaimer: Neste post vou preservar as identidades dos estudantes por motivos éticos, apresentando imagens que não mostrem seus rostos.

Sempre que posto alguma foto referente à escola nas minhas redes sociais, vem uma leva de pessoas perguntar como tem sido a experiência docente, e também deixar recados muito carinhosos, que certamente fazem a diferença no meu dia-a-dia de pessoa ansiosa, que acha sempre que está indo pelo caminho errado.

Trabalhar com crianças pequenas tem sido extremamente diferente de tudo o que já vivi (e olha que tenho bastante história pra contar). Elas são muito receptivas à arte e descobrir coisas novas, sejam materiais, lugares, conceitos, e também muito antenadas no que acontece nas plataformas virtuais, nos super heróis e músicas do momento. Por isso, tento sempre integrar as atividades com o cotidiano delas, sem deixar de apresentar coisas novas e histórias das regiões do mundo que estamos estudando.

Minha base de trabalho é a história da arte pois, a partir dela, é possível contemplar os objetivos de aprendizagem disponibilizados para as escolas, e também oferecer repertório visual diversificado, abrindo bastante margem para as atividades gráfico-plásticas. Tento sempre focar no desenho, que é minha área nativa, pois uma das coisas não tão legais que notei logo no início é que as crianças têm desenhado pouco. 


Uma das primeiras atividades que fiz foi a produção de um retrato e um autorretrato (acima), não só para trabalhar observação e imaginação, como também para despertar o respeito pelas diferenças e pelo espaço dos colegas. Antes de entrar no estudo da história da arte propriamente dito, fiz uma introdução de conceitos básicos como memorização, dimensão espacial, sentido de direção e também elementos básicos da linguagem visual. 



Nas imagens anteriores, alguns trabalhos sobre pintura rupestre, desenvolvidos pelas turmas de 1º ano. A foto que abre esse post é da aula sobre máscaras africanas, que fiz com o 3º ano. A turma confeccionou máscaras em papel kraft, recortes de revistas, barbantes, lã e lantejoulas.


Aqui, eu no Dia Nacional do Livro Infantil, representado a Cuca do Sítio do Pica-Pau Amarelo hahaha. Foi um dia muito divertido, várias professoras encarnaram personagens de Monteiro Lobato, e eu pude me realizar ao entrar com a trilha sonora da sensacional Cássia Eller! Acho que as crianças passaram uma semana me chamando de Cuca hehehe...

Eu vou criar uma categoria específica para assuntos relacionados ao ensino de Artes, chamada Sala de Aula. Por enquanto, queria só matar a curiosidade de quem sempre pergunta pelas aulas, mas aos poucos quero sistematizar postagens de ajuda, como planos de aula e atividades para quem ministra aulas para Educação Infantil e Anos Iniciais. Tem muito material bom para os Anos Finais e Ensino Médio, mas senti bastante dificuldade em relação aos pequenos, por isso, quero usar minha experiência para montar um pequeno repositório para ajudar outros(as) professores(as).

Me acompanhe nas Redes Sociais para ver mais novidades.
03/06/2018


A internet é esse lugar maravilhoso, que nos proporciona entrar em contato com pessoas de várias partes do mundo, firmar parcerias, tecer amizades que se expandem para o mundo real e mostrar nosso trabalho para o maior número possível de apreciadores e clientes em potencial. Se não fosse pela exposição na web, certamente eu ainda estaria guardando desenhos numa pasta catálogo preta, sem ter coragem de mostrá-los para ninguém, o que dirá vendê-los.

Mas existe um lado obscuro da rede, onde as pessoas não têm o menor pudor em utilizar perfis falsos (ou até mesmo suas próprias contas pessoais) para destilar ódio contra os outros. Supostamente protegidos pelo anonimato e por um avatar, esse grupo se acha no direito de falar todo tipo de impropério nas contas alheias, com a desculpa de ser só a sua opinião.

Nos últimos dias, passei por uma onda de hate que há muito tempo não acontecia. Minha última ilustra recebeu uma enxurrada de comentários ofensivos no Pinterest, que iam desde "essa droga não está parecida com a Marilyn" até "o que está acontecendo nesse nariz, ela parece estar cheirada". Na hora minha reação foi reportar tudo como spam e bloquear os perfis, a maioria em inglês e sem foto, contas inativas ou robôs usados para causar estrago, mesmo. 

Pessoalmente, não me sinto mais ofendida com esse tipo de prática, pois se uma imagem é repetidamente compartilhada, vai aparecer algum comentário escroto, é inevitável. No caso da minha ilustra, ela foi salva várias vezes num curto espaço de tempo, e pode ter atraído um público que não é o meu. Mas já passei por situações horrorosas, que estragaram meu dia e me deixaram super mal, então gostaria de deixar algumas dicas que ajudaram a me blindar mais contra os haters.

1. Não bata tambor para maluco dançar

Essa frase é do Lenadro Karnal, uma pessoa que certamente lida com muitos haters, e que adotei para a vida. Eu simplesmente não dou palco para os odiosos, pois o que eles querem é aparecer. Quanto mais você tenta rebater um comentário ou argumentar com a pessoa, pior fica e mais audiência ruim você chama. A solução que encontrei foi dar block logo de cara. Simples assim, não tem conversa, pois o hater não quer discutir de maneira saudável com você, ele só quer ter razão e achar que a sua opinião é a verdade absoluta. Aqui funciona mais ou menos como o paradoxo da tolerância.

2. Use filtros de palavras e moderação de comentários

Quem é frequentador assíduo do blog já está acostumado com os comentários moderados, inclusive tenho uma página inteira dedicada à política de privacidade que adotei. A moderação inibe uma série de atitudes maldosas, visto que o comentário não ficará visível logo de cara, e perderá seu "efeito surpresa". Já a maioria das redes sociais possui filtros de palavras, que nada mais são do que listas de termos que você considera ofensivos e que não gostaria de ver atrelados ao seu trabalho. No meu Instagram, por exemplo, um dos termos filtrados é "vagabunda". Também é possível definir um filtro geral para comentários, assim, palavras de baixo calão são automaticamente retidas em spam.

3. Não leve para o lado pessoal

Essa talvez seja a dica mais difícil, mas realmente não leve para o lado pessoal. A maioria dos haters sequer conhece você ou seu trabalho, e acabou caindo no seu perfil "acidentalmente". Eu costumo dizer que essas pessoas fazer roleta russa sobre quem vão importunar e, de vez em quando, temos a má sorte de sermos sorteados. Caso o hater seja alguém que você conheça, tente procurar a pessoa no privado e perguntar o que está acontecendo. Isso vale para as famosas indiretas, quando você se vê num fogo cruzado de shade e não sabe como proceder. Chame no privado e pergunte o que houve, uma boa conversa resolve na maioria das vezes.

4. Tome medidas legais

Se o comentário maldoso extrapolou todos os limites e virou perseguição, tome medidas legais. Tire prints de todos os comentários e conversas e registre um boletim de ocorrência na delegacia de crimes virtuais. Se a pessoa insistir em perturbar, diga que todas as providências já foram tomadas e a polícia foi acionada. Isso ajuda a coibir a ação desses perfis e serve como prova num futuro processo.

Espero ter ajudado que está passando por uma situação constrangedora na internet e repito: não deixe que meia dúzia de pessoas desocupadas atrapalhem sua vida e seu trabalho. A rede é maravilhosa em vários aspectos e ajuda muitas pessoas que não teriam a oportunidade de desenvolver sua arte se dependessem só do mundo real. Cerque-se de pessoas do bem, que darão suporte a você e coragem para seguir adiante. Seja legal e crie uma corrente do bem entre artistas (follow friday, grupos de interação, etc.). E corte o mal pela raiz quando e se ele chegar até você.

*Imagem por Igor Ovsyannykov via Unsplash

Conheça meu Portfólio profissional
Me acompanhe nas Redes Sociais
Contato: lidiane@lidydutra.com
02/06/2018


Ontem a atriz Marilyn Monroe estaria completando 92 anos, caso estivesse viva, e várias homenagens a esta lenda do cinema se espalharam pela internet. E eu resolvi pagar uma dívida antiga, que era fazer um retrato digno da diva, já que todas as minhas tentativas anteriores foram bastante insatisfatórias. 

Num esforço hercúleo, vasculhei meus álbuns do Picasa e descobri este estudo aqui, que até estava bom pela época em que foi feito - 2010, depois de anos sem desenhar - e este outro aqui (da mesma época, vai entender), que apesar de até ter sido publicado numa página dedicada à Marilyn, está o quadro da dor.

Voltando para o presente, achei que era o momento mais apropriado para colocar novamente meus aprendizados em prática e utilizar justamente a minha zona de conforto - o grafite - para entregar um retrato minimamente fiel, com todas as proporções no lugar. Acho que consegui, finalmente!


Já no primeiro rascunho passado a limpo consegui ver semelhança com a foto que peguei como referência. Geralmente vejo os artistas optando por imagens icônicas da atriz, com seus lábios vermelhos e poses sensuais, mas achei esta foto tão meiga e delicada, quase passando uma paz de espírito, que decidi utilizá-la como ponto de partida.


Trabalhei somente com o lápis 4B da Staedtler e esfuminho, e essa caneta dourada da Pentel para a coroa. O papel utilizado foi o Canson XL Croqui. O resultado:


Acredito que consegui chegar ao meu propósito, ainda dei uma leve mexida no Photoshop para arrumar algumas coisas que ficaram fora de lugar. Gostei de como a textura e o tom amarelado do papel deram um ar vintage, que combinou muito com a ilustração. Eterna! 💋

Conheça meu Portfólio profissional
Me acompanhe nas Redes Sociais
Contato: lidiane@lidydutra.com