Na prancheta #2

13.5.15


Apesar de não postar ilustras novas com frequência por aqui, nos últimos dias estou trabalhando em várias coisas legais, alguns projetos comissionados e outros pessoais, inclusive uma oficina. Quem quiser me acompanhar em tempo real e ver muitas ilustrações nascendo, além de cantinhos do meu ateliê e materiais novos, me procure no Instagram e no Snapchat (username: lidydutra).

A imagem acima é de mais um fauno (nossa, que novidade...), só que dessa vez quero acrescentar outros elementos, que sugiram ambiguidade, como por exemplo a barba. Estou estudando posições de patas e pelagem, para começar a representar essas figuras de corpo inteiro.


Enquanto esses estudos avançados ainda se encontram em rascunho, já comecei o número 3 da série Into the Forest (veja o 1 e o 2). Desta vez não será um fauno, mas sim um unicórnio. É a primeira vez que uso o papel para aquarela da Hahnemühle (sempre jogo no Google pra saber como se escreve isso), que tem uma gramatura e textura lindas, além da folha ser maior que o A4, gerando uma área de trabalho bem interessante. Pretendo usar aquarela na quase totalidade da ilustração e, assim que eu postar o resultado, vai ser possível ver todas as mudanças, referências e decisões que tomei ao longo do caminho.


Fiz um investimento considerável em aquarelas nos últimos tempos, tanto nas tintas como em godês, pincéis e papéis, e voltei a usar os lápis aquareláveis com o intuito de aquarelar. Recebo muitos feedbacks positivos sobre a minha capacidade de misturar materiais, de trabalhar com marcadores, lápis, pastel... tudo ao mesmo tempo. Porém, também quero lidar com técnicas isoladas, assim como até algum tempo atrás acontecia com o grafite e com o próprio lápis de cor. Acredito que isso auxilia na tomada de decisões e na restrição de cores da paleta, por exemplo, porque você meio que se "obriga" a trabalhar com opções reduzidas. São exercícios criativos necessários para a reciclagem de conceitos e absorção de novos conhecimentos.


Por fim, um pouco do projeto para uma escola de dança da cidade. Quem me segue no Instagram pode ver desde os primeiros rascunhos, até etapas da execução e, assim que puder, vou divulgar tudo em detalhes, como sempre. Foi muito gratificante fazer esse trabalho, que inclusive gerou uma reflexão sobre aquele medo que acompanha quase todo mundo: o de dar tudo "errado". Escrevi sobre isso com muito carinho e, ainda esse mês, publicarei aqui.

Tem dias que eu chego em casa e estou meio sem saber o que dizer, só sentir, por isso, tenham paciência comigo, pois ainda tem muita coisa legal para postar esse mês, como o Ilustraday, a primeira página para colorir da Lidy (sim!!!!!!!111), dentre outras coisas. Aproveitem também para conferir a promoção na Colab55, com frete grátis para compras a partir de R$ 99,00 até sexta-feira, clicando aqui.

Abraços,
Lidiane :-)

Veja também

6 Comentários

  1. Adoro acompanhar seus processos ;)
    E seu estilo é muito vivo <3

    Se puder confere lá minhas ilustras também!
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Thiciana!

      Já visitei teu blog e vou te colocar no meu blogroll, quanto mais desenhadeiras, melhor =)

      Bjks :**

      Excluir
  2. Acho muito legal seus personagens ou seriam "personas"? Elas sempre ficam com olhares e traços doces, às vezes, olhares curiosos. Imagino que isso é um reflexo da sua personalidade.

    Já perdi a conta de quantas vezes tentei desenhar personagens com traços suaves e femininos, mas sempre saem infantis demais para o meu gosto. Fiz o desenho de uma ursa uma vez, quando acabei, fiquei triste, era uma mistura de chupa-cabra, com punk, com maquiagem borrada depois de acordar com uma ressaca de tequila. – , –

    Está gostando dos lápis da Staedtler? Comprei um kit com 12 cores da Derwent como os seus, mas não tive como fazer um teste que justificasse um post, utilizei diversas vezes, mas nada muito expressivo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mateus!
      Tem muito de mim nas minhas figuras, ao longo do tempo percebi que são uma espécie de alter egos.
      A minha dificuldade é em fazer traços masculinos, nunca me sinto confortável desenhando homens, é uma coisa que preciso trabalhar bastante ainda.
      Eu tenho esses lápis há mais ou menos uns três anos e gosto muito, tanto pela cor como pela textura. Essa linha profissional da Staedtler é ótima, porém não curti a linha escolar Noris Club, achei a qualidade bem ruim. Os da Derwent também são ótimos, mas entre eles e os da Staedtler, aidna prefiro os últimos ;)

      Abração!

      Excluir
  3. ahhhhh que legal!!! Genial, achei genial essa ideia de trabalhar com androginia! *-* super apoio! adoro aquele modelo Andrej Pejic e a atriz Tilda Swinton <3 o androginismo é uma coisa que me fascina muito pelo ar de mistério sobre quem é a pessoa. ao mesmo tempo em que a gente fica nessa curiosidade, eu, pelo menos, se fosse andrógina, preferiria manter o mistério, como o Andrej disse uma vez. é mais interessante, mais instigante, é como se o andrógino, de certa maneira, tivesse algum poder sobre as outras pessoas que ficam fascinadas por eles (os andróginos). assim como tudo o que nos é desconhecido, é curioso e instigante... e misturar androginia em criaturas fantásticas, misteriosas como faunos, entre outros, é fantástico, Lidiane! *_* sério, achei muito afudê! uaiehaiueh você vai postar ele colorido também, né? T_T

    bjsss :*************

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amo Andrej Pejic, aquela lindeza toda *.* E Tilda é Tilda, ela já está na categoria deusa, tudo o que ela fizer eu só aplaudo. Ainda não sei se vou conseguir dar o tom andrógino que pretendo, mas é um primeiro estudo, quem sabe daí surjam aos poucos as figuras masculinas que não consigo trabalhar com regularidade. Vou postá-lo colorido sim, pode deixar ;)

      Beijokas :**

      Excluir

Muito obrigada pela visita e pelo comentário.
Saiba mais sobre os termos de uso do blog clicando aqui.

Subscribe