Buscando referências na História da Arte

20/11/15

Dante Gabriel Rossetti, Lady Lilith, 1867.
Na última terça-feira estava trabalhando num esboço antigo e, ao pegar um livro sobre mistura de cores na estante, me deparei com História da Beleza, organizado por Umberto Eco, que está no meu acervo desde 2011. Foi uma boa oportunidade para rever alguns artistas que estudei na faculdade, e separar material para referências e estudo.

Resolvi marcar algumas reproduções que chamaram minha atenção e dividir aqui no blog. Começando por Lady Lilith, que é uma das obras de que mais gosto e me faz lembrar a Florence Welch (seria ela a encarnação de uma pintura de Rossetti?). O Romantismo é um dos períodos que mais me identifico, em termos estéticos, por causa da mistura de beleza e morbidez presente nos trabalhos.

Charles-Auguste Mengin, Safo, 1867.
O trabalho com luz e sombra nessa pintura me auxiliou na compreensão do que realmente queria fazer com o esboço no qual estava trabalhando. Minha última ilustra foi muito colorida, vibrante. Quero algo mais sóbrio. E para quem não sabe quem foi Safo de Lesbos, deixo aqui um post super interessante publicado na Capitolina.

Francesco Hayez, Madalena Penitente, 1833.
Edward Burne-Jones, A princesa acorrentada à árvore, 1866.
Uma das coisas que mais me chama atenção nos livros de História da Arte é que: 1) grande parte dos estudos está centrada na Europa e 2) praticamente não há mulheres artistas, mas a maioria das modelos, principalmente em nus, são femininas. Por isso, sempre reforço em meus comentários: é importante estudar autores como Gombrich e Argan, até mesmo o Eco, porém, colocando suas análises em perspectiva e buscando outras narrativas, que incluam as artes oriental, africana, sul-americana, brasileira e, principalmente, produzida por mulheres. Isso não invalida a importância dos artistas aqui citados, apenas torna a arte o que ela realmente deve ser: representativa

John Singer-Sargent, Ellen Terry no papel de Lady Macbeth, 1899.
Dante Gabriel Rossetti, Beata Beatrix, 1864-1870.
Dante Gabriel Rossetti, O Sonho de Dante, 1871.
Caravaggio, Santa Maria Madalena, 1606.
Estudar o movimento dos tecidos sempre foi uma das minhas atividades favoritas. Em alguns posts beeeeem antigos aqui do blog, é possível ver uma série cheia de formas, dobraduras e texturas. Fiquei com muita vontade de fazer algumas releituras dessas obras, para aprimorar proporções, tensão, expressão e anatomia. Talvez aproveite os meses de janeiro e fevereiro para por um projeto do tipo em prática.