Sobre professores, blogueiros e quarentena

Marilyn Monroe na Universidade da Califórnia (UCLA), onde estudou literatura. Foto de Mel Traxel, fevereiro de 1952.

Quem está vivendo no planeta Terra em 2020 tem lidado com o coronavírus e com diversos protocolos criados para resguardar ao máximo a saúde pública, incluindo aqui a quarentena, ou isolamento social. Desde meados de março, a Prefeitura de Rio Grande decretou quarentena nas escolas da rede municipal e também orientou as instituições a manterem contato com a comunidade escolar (se possível), via internet, postando atividades lúdicas, não conteudistas, a fim de reforçar que estamos aqui e que o vínculo entre professores e estudantes se mantém. 

As duas escolas nas quais trabalho estão se empenhando em engajar a comunidade, dentro da sua realidade, seja com atividades, vídeos, dicas, mensagens. Nós, professores, não paramos de trabalhar, nem estamos de férias, como algumas pessoas podem pensar. Só que outro debate acabou vindo à tona, que é o uso do ensino a distância (EaD) como forma de mediação entre escola e aluno, em tempos de pandemia.

Eu trabalhei mais de 10 anos com EaD. Comecei no meu TCC, depois como tutora e, por fim, como professora pesquisadora, função na qual fiquei oito anos, trabalhando diretamente com design instrucional. Sei como a EaD pública funciona e sugiro que pesquisem sobre como a Universidade Aberta do Brasil ajudou na interiorização da educação superior no país. Então, para mim, não foi novidade, e eu consegui ter uma visão bem racional da situação, antes de preparar qualquer tipo de material para enviar aos estudantes.

Porém, mais do que discutir modelos de interação e o impacto da EaD no ensino básico, começaram a pipocar textões pelas redes sociais, a maioria de autoria desconhecida, de professores falando sobre a carga física e mental que tem sido preparar aulas a distância (o que é uma realidade, sem dúvida), e de que eles haviam estudado para serem professores, e não blogueiros e youtubers. Aí eu comecei a ficar transtornada.

Esse tipo de afirmação sou professora e não blogueira, como se uma coisa estivesse em cima e a outra embaixo, me perturba. Porque usa de uma situação atípica, que é a pandemia, para desqualificar a atividade de quem trabalha com internet. Eu já era professora por formação quando criei um blog, mas nunca havia entrado numa sala de aula, e foi o blog que me manteve criativa, focada, atualizada sobre a minha área e, principalmente, ocupada, pois eu trabalhei muito a partir de clientes que chegavam por aqui. E quando eu realmente pisei no chão da escola, consegui estabelecer um diálogo com os estudantes muito pela minha relação com o blog.

Os professores terem virado blogueiros, vlogueiros, roteiristas, fotógrafos, diagramadores da noite para o dia, evidencia o quanto o poder público negligencia o uso das tecnologias digitais de informação e comunicação na educação, e como perderíamos muito menos tempo com isso se fôssemos capacitados para lidar com questões que envolvem as TDICs para muito além da teoria. 

Existe todo um universo de problemáticas quando se fala em enviar o material da aula pela internet: se a comunidade na qual a escola está inserida sofre com vulnerabilidade socioambiental, quais as condições que os estudantes têm de receber este material (desde suporte tecnológico até emocional), qual o grau de interação das famílias com as tecnologias, se o aluno tem comida na mesa, se não é agredido, abusado, e por aí vai. Também entram na conta a carga horária do professor, quantas escolas ele atende, se ele próprio tem familiaridade e condições de trabalhar com as tecnologias, se deseja inserir isso no seu cotidiano docente.

É o momento para discutir sobre tudo isso. Mas me entristece ver colegas achando que é algo horrível ser blogueiro, que ser youtuber é a maior inutilidade do mundo, que fazer roteiro é perda de tempo. Vamos pôr em perspectiva: blog nada mais é que registro, é diário de classe. Roteiro é plano de aula. O cientista que mais tem nos alertado sobre o coronavírus, Átila Iamarino, ganhou notoriedade com um canal no YouTube, no qual se dedica à divulgação científica.

Blogueiro e youtuber também é profissão, professor. Não vamos esvaziar um debate tão importante quanto o que está ocorrendo agora porque existe preconceito sobre essas profissões novas, que se aproximam demais com os anseios dos nossos estudantes. É um momento muito delicado, no qual todos sentem-se pressionados, de alguma maneira. Vamos tentar unir a nossa prática docente com a comunicação leve e despretensiosa que encontramos pela web, e agregar conhecimentos sem preconceitos ou estereótipos.

Resolvi ilustrar esse post com uma foto de Marilyn Monroe, durante o período que estudou literatura na UCLA, para nos fazer pensar. Marilyn foi um sexy symbol universal, muitas vezes encarnando o papel da loira burra no cinema. Mas na vida real a atriz era inteligente, leitora assídua dos clássicos e nunca parou de estudar. Morreu desejando ser levada a sério, ser reconhecida como a pessoa que era. Estereótipos nos aprisionam e nos impedem de entender a vivência do outro.

Comentários

Form for Contact Page (Do not remove)