Oficina de Ilustração Amanda Mol

21/12/15


Embalada pelo ritmo do livro Grande Magia, decidi me inscrever em várias oficinas online, pois senti que precisava me distanciar um pouco do trabalho e focar em formação. Desde que concluí o mestrado (talvez em 2016 eu me sinta pronta para falar da dissertação aqui) tenho investido em cursos curtinhos, pois não tenho mais a menor paciência para a academia.

Oficina de Ilustração Amanda Mol vinha chamando minha atenção desde seu lançamento, pois sou fã do trabalho dessa ilustradora. Ela tem um traço bastante delicado e toda uma poética de criação voltada para o feminino e a natureza. Aproveitei um desconto válido até o início de dezembro e me joguei. 

Apesar do foco não ser o ilustrador profissional, mas sim pessoas interessadas em desenhar, e de eu saber de antemão que não aprenderia uma técnica nova, decidi investir para ter um tempo só pra mim, sem cobranças, nem prazos. Eu queria aprender a dizer não para o que estava me deixando chateada. Terminei a oficina muito feliz em ter conseguido superar essa má fase.


A oficina é dividida em dez videoaulas. A cada semana, são liberados três vídeos para estudo e, na última semana, os quatro finais. Cada um deles vem acompanhado de dicas, imagens para download e ainda uma playlist musical. Tudo isso é acessado através do Painel Criativo, e aqui fica minha impressão técnica a respeito da plataforma: ela é muito intuitiva e não tive problemas com o carregamento dos arquivos. As aulas são disponibilizadas dentro do prazo e os vídeos curtos facilitam a compreensão, sem dispersar.

A Amanda é uma entusiasta dos registros e de manter um cantinho propício à criação. Por isso, nos incentivou a criar painéis no Pinterest


Nas aulas seguintes, testamos materiais e trabalhamos com formas e cores. É muito bom voltar a esse tipo de estudo depois de um certo tempo, porque tem coisas que acabam ficando no meio do caminho, ainda mais se nos sentimos pressionados no dia-a-dia. Outra coisa que voltei a fazer, e nem era uma atividade da oficina, foram exercícios de aquecimento da mão antes de desenhar.


Esses foram os primeiros testes que fiz com as aquarelas da Koh-I-Noor, indicadas pela Ana Blue e pela Mary Cagnin. Além de muito baratas (R$ 28, em média, o estojo com 12 cores) a qualidade é excepcional. São tintas altamente pigmentadas, como é possível ver na imagem, e misturam bem entre sim. 


Outro estudo que fiz com essas aquarelas. Apesar de seguir a referência fotográfica, não me importei com a semelhança. Queria mesmo era experimentar um traço mais solto e inventar cores inusitadas, em contraste com a imagem em preto e branco.


Aqui, além de desenhar um tema recorrente nos meus trabalhos - mulheres e galáxias -, ainda escrevi um pequeno texto mostrando porque isso é importante para mim, como apareceu na minha trajetória, o que me faz continuar representando essas figuras. E pessoalmente foi o momento de dizer para mim mesma: esta sou eu, esta é minha arte, e somente eu posso dizer o que devo ou não fazer.


Numa das últimas atividades, extravasei geral e consegui soltar a mão como há muito tempo não conseguia. Fiz uma sucessão de formas que me encantam e exercem força e fascínio, e que estão relacionadas ao universo artístico que construí. Esses desenhos passaram a ter uma importância tão grande na minha vida quanto qualquer ilustração bem acabada e pensada que eu já tenha feito. Foi uma espécie de exorcismo das coisas ruins, e funcionou.

A Amanda ainda fala sobre tratamento de imagem (ótimas dicas de Photoshop) e sobre como nos colocarmos numa posição de sempre inspirar o outro nas redes sociais, através da ilustração em si e também de fragmentos cotidianos que nos auxiliam no processo de criação.

Saí da oficina renovada, e muito feliz por superar uma carga negativa que eu mesma havia colocado sobre meu trabalho. Recomendo essa atividade para todas as pessoas que desejam desenhar, mas acham que não conseguem (consegue, sim!) e para quem já é desenhista, mas anda acanhado com a própria produção.