Por que suas ilustrações são parecidas com você?

06/11/14


De tempos em tempos costumo ouvir uma pergunta, que se intensificou nas últimas semanas, que é a seguinte: suas ilustrações são tão parecidas com você, isso é intencional? Resposta: não, não é. 

Represento aquilo que compõe o meu universo visual e imaginário. Sigo uma série de referências, tenho arquivos com fotos para me inspirar, uso a gama das minhas cores favoritas, trabalho com aquilo que me identifico e me faz feliz, isto é fato. Ilustrar mulheres e dar preferência para seus rostos e olhos é colocá-las no protagonismo de minhas ilustrações, é fazer com que elas observem e interajam com o espectador.

Pode até ser que essa "semelhança" seja inconsciente, o que para mim, enquanto mulher e artista, é uma grande vitória sobre uma indústria cultural que despeja, diariamente, padrões de consumo em massa. Que diz o que devemos vestir, que cor e corte de cabelo devemos ter, do que devemos gostar. 

Agora, quero chamar outras mulheres, outros corpos, outras etnias a compor o escopo das minhas ilustrações. Quero co-autoria. Já entendi os meus limites e como posso superá-los e quero fazer isso com urgência. Quero ouvir outros tipos de perguntas, receber outros feedbacks. Mas acho que, por enquanto, o grande enigma está respondido.




Escolhi essa mocinha dentuça para ilustrar o post porque sou apaixonada por vampiros e, no momento, estou relendo Noturno, do Guillermo Del Toro. E eu já devo ter dito que estou apaixonada pela série The Strain, baseada neste livro... Senhor Del Toro me deixando viciada em séries, vê se pode :D

Abraços,
Lidiane :-)