abrir menu
06/02/2018

Colheita 🌾


Depois de duas semanas bem agitadas, consegui retomar minha rotina de estudos e tirar algumas ideias do papel. Acho que nunca antes na minha vida tantas coisas aconteceram ao mesmo tempo, e ainda quero escrever sobre isso com calma, assim que a poeira baixar. Aproveitei o momento para me arriscar em dois materiais que não uso com frequência: nanquim e guache, sendo esse último só um pequeno detalhe, mesmo.

Decidi batizar essa ilustra de Colheita porque acredito que a nossa vida é um eterno plantar e colher. Às vezes a plantação é difícil, o processo demora mas, ao final, sempre colhemos aquilo que plantamos. E devido ao momento profissional que estou passando, esse trabalho também representa a colheita de algo que cultivo há anos, com muita dedicação, que é a minha relação com a arte. Agradecimentos especiais aqui a Malena Flores, com quem aprendi a cultivar esses bons sentimentos.



Quem me acompanha já conhece meu processo inicial de trabalho, que consiste em rascunho (que, geralmente, é passado a limpo várias vezes) e, em seguida, a transposição do risco para o suporte final, via mesa de luz. Como tenho um bloco de papel Mixed Media da Canson e preciso gastá-lo, foi o que escolhi para esse estudo, e até que ele se comportou bem com nanquim (muito melhor do que com aquarela). Mas continuo não recomendando esse material, é melhor investir na linha Montval.

Em seguida, separei no godê quatro porções de água e, em cada uma delas, pinguei a quantidade de nanquim necessária para fazer camadas das mais claras até as mais escuras, e também um pouco de nanquim puro para o cabelo. E todo o processo de pintura foi muito igual ao que uso na aquarela, com uma grande aguada, seguida por camadas de transparência até chegar na tonalidade desejada. O ponto principal foi o trabalho com o contraste por valor.


Em seguida, utilizei dois lápis de cor cinzas (um mais escuro e outro mais claro), para fazer o acabamento e reforçar os valores no rosto e nas partes que eu gostaria de destacar a luminosidade, como no ombro, por exemplo. Mas busquei ser bastante econômica nos retoques, tanto no uso de paleta reduzida, como na mistura de materiais para chegar ao resultado que queria. Só utilizei caneta multiliner para fazer o detalhe dos cílios, e caneta gel branca para abrir pontos de luz.

Ao final, achei que faltava alguma coisa nessa figura, já que ela ficou parecendo uma pedra, por isso resolvi colocar as folhagens saindo de sua pele e, para ficar um contraste legal, utilizei guache magenta. Porém, pensando nessa solução e no título que dei, fica uma analogia bastante interessante: mesmo de algo que parece "inanimado" (ou meio xoxo), pode brotar vitalidade e beleza, trazendo harmonia para o conjunto.


Materiais utilizados

- Papel Mixed Media Canson;
- Nanquim Pelican;
- Guache TGA;
- Pincéis Keramik;
- Lápis de cor Polycolor em tons de cinza;
- Multiliner e caneta gel para detalhes.


Conheça meu Portfólio profissional

2 comentários:

  1. Lidy, que saudade de vir aqui. Como é bom ter acesso a esses detalhes preciosos do teu processo criativo! Parabéns pelas tuas conquistas profissionais e pela tua persistência e constante evolução :~)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Ju, que felicidade ver teu comentário aqui no meu cantinho! ❤️
      Obrigada pelo carinho comigo e com a minha arte, tenho em ti uma fonte de inspiração e respeito imensos, pela pessoa e pela profissional que tu és.
      Beijão 😘

      Excluir

Muito obrigada pela visita e por deixar o seu recado. Os comentários são moderados para que eu possa responder a todos com atenção. Caso for comentar em postagens antigas, favor levar em consideração a data de publicação, pois minha opinião pode ter mudado com o tempo. Saiba mais sobre os termos de uso e política de privacidade do blog clicando aqui.

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial