abrir menu
25/07/2018

Pequeno Guia de Incríveis Artistas Mulheres


Tenho trazido mais dicas, desabafos e leituras porque, basicamente, é o que tenho feito nos últimos tempos. Só consegui retomar meus estudos de desenho essa semana, em decorrência das férias escolares. Ainda pretendo fazer um resumão do meu primeiro semestre docente mas, antes disso, quero publicar outras coisas pra não ficar falando só de escola.

O livro do qual quero falar é, ao mesmo tempo, necessário e muito triste. Pequeno guia de incríveis artistas mulheres que sempre foram consideradas menos importantes que seus maridos, escrito pela Beatriz Calil, é um daqueles livros que lança uma luz sobre o apagamento da produção feminina na história da arte e, além disso, sobre o quanto artistas mulheres são lembradas como acessórias aos seus maridos e companheiros. Ou é a esposa dedicada, que cuida e deixa seu esposo criar, ou a amante/musa destruidora de lares. 

Sinopse: Como o título entrega, trata-se de um trabalho artístico corajoso: admite, desde o princípio, o equívoco de uma história que escolheu celebrar os homens artistas em detrimento de suas companheiras. Que relegou o brilhantismo delas e de suas obras às celas de manicômios, salas de estar, camas. Que transformou mulheres fortes em vítimas de abuso, artistas competentes em belas acompanhantes para eventos sociais. E então o olhar de Beatriz pousa sobre elas. É que é tempo ainda - é sempre - de lhes fazer justiça.


Beatriz selecionou 16 artistas estrangeiras (ela planeja um segundo volume só com artistas brasileiras), entre elas Simone de Beauvoir e Camille Claudel, para contar brevemente suas histórias, obras de destaque, relevância para o meio artístico e como foram sumariamente apagadas ou relegadas à coadjuvantes dos homens aos quais estavam ligadas. Um dos casos mais emblemáticos, para mim, é Yoko Ono: artista multifacetada, é vista por muitos apenas como esposa de John Lennon e responsável pela separação dos Beatles (olhos revirando).


Por também ser artista visual, a autora fez intervenções em imagens dessas artistas, apagando os homens das fotografias. É nesse espaço em branco deixado pela figura masculina que as histórias das mulheres são recontadas, num esforço para que sua relevância não seja esquecida. 

“Todo esse meu trabalho partiu, na verdade, das fotos das artistas com os maridos. Comecei a interferir nessas imagens. Em muitas delas, fica claro que o importante ali é o marido. A mulher está sorrindo olhando para ele, ou ele está em maior destaque. E muitas são divulgadas com legendas como ‘Picasso e a amante’, ‘fulano e a esposa’”. Comecei a buscar inverter isso na própria imagem.” -  Beatriz Calil, em entrevista ao NEXO.
Link para matéria © 2018 | Todos os direitos deste material são reservados ao NEXO JORNAL LTDA., conforme a Lei nº 9.610/98. A sua publicação, redistribuição, transmissão e reescrita sem autorização prévia é proibida.


Por ser um livro curto (58 páginas) li de uma só vez, e recomendo fortemente que todas as mulheres que trabalham com arte tenham acesso a este tipo de informação. Ao final do texto, a autora traz estatísticas relacionadas à representatividade feminina em galerias de São Paulo e os dados são alarmantes, apesar de não causarem surpresa. Aqui no blog já publiquei um texto sobre as musas, que deu bastante o que falar na época, e serve como complemento para quem se interessou pelo livro. Adquiri meu exemplar diretamente pelo site da Editora Urutau

Dois links com entrevistas de Beatriz Calil:

Conheça meu portfólio profissional
Me acompanhe nas redes sociais
Loja virtual | lidiane@lidydutra.com

4 comentários:

  1. Interessante mas como vc disse, muito triste saber que tantas mulheres não tiveram o devido reconhecimento na história da arte. Eu não sabia da Yoko Ono, fui pesquisar sobre a vida dela e fiquei bem chateada por não ter curiosidade de saber mais.
    Obrigada por compartilhar suas leituras!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é bastante triste. Mas precisamos trazer esses dados à tona, para que essas mulheres e suas histórias não caiam no esquecimento. Abraços!

      Excluir
  2. Q massa esse livro! Sempre gosto das suas dicas! Já tive oportunidade de ir em algumas expos da Yoko! Acho ela maravilhosa! Provavelmente minha artista contemporânea favorita. *_* ps. Quero saber mais das suaa experiências como docente. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tive um professor da faculdade que conheceu a Yoko na época do Fluxus, acho até que fizeram alguns trabalhos juntos. Gosto muito mais dela do que da Marina Abramovic (#treta kkkkkk).
      Quero fazer um resumão do primeiro semestre e dos trabalhos que desenvolvi, mas ainda não achei tempo. Espero fazer do 1º antes que o 2º termine shuahsaushahua

      Bjks

      Excluir

Muito obrigada pela visita e por deixar o seu recado. Os comentários são moderados para que eu possa responder a todos com atenção. Caso for comentar em postagens antigas, favor levar em consideração a data de publicação, pois minha opinião pode ter mudado com o tempo. Saiba mais sobre os termos de uso e política de privacidade do blog clicando aqui.

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial