Mariposa 🐛



Finalmente consegui parar - não só para finalizar uma ilustração, como também para escrever um post. Tenho andado bastante afastada do blog, não por falta de assunto, mas por falta de tempo. Completei minha mudança há pouco, e estou me adaptando ao novo espaço e à nova rotina. Todo dia é um aprendizado diferente. Por isso, para marcar essa fase, resolvi resgatar algumas artes que tinha deixado só na linha lá em abril, e inaugurar meu novo ateliê (em breve falo mais sobre ele, mas já dá pra conferir um pedacinho aqui) aquarelando uma moça mariposa.


As mariposas têm simbologias muito interessantes. Acredito que uma das mais populares esteja ligada ao fogo da transformação. A Caroline Jamhour, uma das artistas que mais admiro, fez um post sobre o simbolismo da mariposa, que acabou viralizando (e começou a ser compartilhado sem os créditos). Sugiro a leitura do original, pois é uma reflexão muito valiosa. Aqui onde moro agora, é comum aparecer mariposas, dessas mais simples, que ficam na volta da lâmpada à noite. Em 2017 eu já havia ilustrado uma actias luna, então não é de hoje meu fascínio por esses seres.

Acredito que veio bem a calhar escolher esse trabalho, dentre outros que eu já tinha preparado, pois toda mudança é uma transformação enorme na vida. É como sair de um casulo quente e seguro para um mundo novo e, muitas vezes, hostil. Bate uma série de inseguranças e incertezas, de repente estamos aprendendo coisas banais, como regular a nova máquina de lavar. Ainda quero falar mais sobre essas experiências mas, por enquanto, vou me concentrar em mostrar essa ilustra:


Comecei a pintura da mesma maneira que começo todas as outras: marcando os valores com lápis, depois com cinza payne, e fui colocando as cores. Para o tom da pele, trabalhei com alguns tons avermelhados e terrosos, fiz uma misturinha para chegar a essa cor, que curti bastante. Para as asas, imprimi algumas imagens de mariposas e fui pegando um pouco de cada e estilizando, ou seja, não é nenhuma espécie em específico e tomei a liberdade artística de não estar biologicamente fidedigno a nenhum inseto. O resultado:

Materiais utilizados

  • Papel para aquarela Harmony Hahnemühle;
  • Aquarelas Van Gogh;
  • Pincéis Karamik;
  • Marcadores Sakura.
  • Lápis de cor Polycolor e Faber-Castell metático.


Espero que vocês tenham curtido essa ilustra e, em breve, eu volto aqui para contar mais sobre meu novo ateliê. Por enquanto, tenho postado lá nos stories e no feed do Instagram. Em tempo: participei de uma live muito legal com a Andréia Pires, no perfil da Concha Editora, sobre ilustração e docência. Dá pra assistir a parte 1 aqui e a parte 2 aqui.

Comentários

Form for Contact Page (Do not remove)