Mandr√°gora ūüĆĪ

17/08/2021


A mandr√°gora √© uma planta medicinal, com efeitos alucin√≥genos, que est√° presente em diversas lendas e culturas. Do Egito Antigo aos tempos b√≠blicos, passando pelos usos m√°gicos na Idade M√©dia, at√© os dias atuais e sua presen√ßa em franquias como Harry Potter. √Č a planta usada por Circe, a planta que grita ao ser arrancada da terra. 

Nessa representação, quis usar a forma feminina em harmonia com a natureza, ela própria a raiz fértil que faz as folhagens crescerem. A mandrágora/mulher como deusa da fertilidade, seu corpo como parte do todo natural, e não um fetiche ao olhar masculino.

Essa ilustra√ß√£o surgiu de forma bastante espont√Ęnea, mas a partir de um sentimento que eu j√° venho cultivando h√° um bom tempo: o de representar o nu feminino apenas como um corpo funcional, e n√£o como fetiche. Vejo muitos ilustradores fazendo nus, mas as imagens carregam um desconforto, justamente por conta do male gaze, que √© essa representa√ß√£o feminina feita por e para homens heterossexuais.

Lembro das imagens das v√™nus da fertilidade, deusas esculpidas com fartos seios e vulvas aparentes, e essas imagens n√£o parecem desconfort√°veis, justamente por serem corpos com um prop√≥sito que n√£o √© o da sexualiza√ß√£o, pura e simples. At√© mesmo imagens contempor√Ęneas, como as da ilustradora Priscila Barbosa, que d√° um sentido pol√≠tico aos corpos, principalmente aos diversos, n√£o possuem esse aspecto de voyeurismo que muitos homens insistem em transmitir nas suas obras. 

Essas divaga√ß√Ķes me levaram √† figura da mandr√°gora, com suas ra√≠zes que parecem um ser humano em miniatura. Resolvi juntar as v√™nus neol√≠ticas com essa planta, criando a representa√ß√£o de uma mulher/raiz com seu corpo volumoso, estriado (a inspira√ß√£o veio da textura das batatas!), e que sustenta uma grande cabeleira verdejante. A imagem do corpo como sustent√°culo e nutriente para a vida, como lugar seguro, se apresentando para o mundo da maneira que √©, e n√£o como os outros esperam que seja.

Geralmente, nas representa√ß√Ķes da mandr√°gora, a express√£o facial √© de medo ou terror, mas aqui quis representar a plenitude e a felicidade pela abund√Ęncia; a mente f√©rtil de ideias, que precisa ter uma boa base para se desenvolver.


Materiais utilizados:

  • Papel para desenho 180g Spiral;
  • L√°pis de cor Staedtler Design Journey;
  • Edi√ß√£o e aplica√ß√£o de efeitos no Photoshop.

Ap√≥s digitalizar, fiz algumas aplica√ß√Ķes de manchas, como se a ilustra√ß√£o fizesse parte de um livro antigo, usado por feiticeiras. Para saber mais sobre os usos da mandr√°gora, recomendo a leitura do TCC Plantas m√°gicas no medievo: mulheres, magia e igreja, de Valentino Sterza (Universidade Federal da Para√≠ba, 2019).

Coment√°rios

  1. Que trabalho mais lindo! Conheci as mandrágoras em Harry Potter, só mais tarde fui saber que a inspiração da JK Rowling era mais antiga. Essa sua releitura ficou maravilhosa. Transmite muita feminilidade. Amei.

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e por deixar o seu recado. Por favor, leve em consideração a data do post, pois minha opinião pode ter mudado com o tempo, e alguns links podem estar quebrados. Conheça os termos de uso do blog antes de comentar.