Coisas que minam o processo criativo

17/12/14

Chifres...
Desde que publiquei este post, no qual falo da importância cada vez maior de registrar os meus processos, algumas pessoas me pedem para transcrever a listagem que está no caderninho que aparece na foto, então aqui vai um compilado do que contribui para minar meu processo criativo. Lembrando que são coisas que fui percebendo ao longo dos anos, a partir da minha experiência pessoal, então o que é ruim pra mim, pode não ser para outro.

1. Cansaço: às vezes eu vejo postagens, principalmente no Face, de pessoas que dizem "se você realmente ama o que faz, supera todos os obstáculos e blá blá blá"... mas cansaço físico e mental é algo que realmente influencia no trabalho criativo. Tem dias que eu realmente quero ilustrar, experimentar mil coisas novas, mas aí encaro uma rotina cheia de atribulações, e quando chego em casa o ânimo não aparece. Tentar não se abater com isso é muito difícil.

2. Falta de foco: ter um caderno de organização me ajudou bastante, ao longo do ano, a ter foco no que precisava fazer. Até a decoração do ateliê contribuiu para o meu rendimento, pois separei em quatro pranchetas, logo acima da mesa, imagens que me inspiram, esboços para finalizar, trabalhos em andamento e listagem de tarefas gerais.

3. Ambiente inadequado: tive uma longa caminhada até deixar meu espaço do jeito que queria, não só por estética ou ~ostentação~, mas para que eu me sentisse acolhida e inclinada a trabalhar. Ter uma cadeira confortável, uma boa mesa e prancheta, iluminação (cobertor no inverno, ventilador no verão), refletem na qualidade do trabalho e também na qualidade de vida.

4. Refação: ninguém merece cliente que vive pedindo alteração na ilustra, principalmente se ela é feita com técnicas tradicionais. Por isso, é importante estabelecer em contrato quantas são possíveis e estipular um valor por alteração, caso exceda o número permitido.

5. Maus hábitos: outubro foi um mês muito importante sob vários aspectos, ainda mais porque consegui abandonar em 80% o velho hábito da procrastinação. Fazer desafios de desenho, cumprir metas e dar um tempo nas redes sociais ajuda a eliminar esses cacarecos que só atrapalham a criatividade.

6. Job ruim: não adianta, tem coisa que é chata de fazer e, nessas horas, a gente pensa nas contas vencendo, naquele estojo de lápis maravilhoso que pode ser comprado com o dinheiro daquele trabalho, no cineminha do final de semana, enfim, tocando a vida.

7. Caraminholas que os outros colocam na sua cabeça: esses dias li o texto de um ilustrador, com recomendações para quem está começando, e uma delas era "não peça opinião em grupos do Facebook, você deve ser capaz de saber se o seu trabalho está bom ou não". E dependendo do que você está fazendo, concordo com o que ele disse. Essa facilidade de comunicação às vezes gera um ruído no processo criativo. É como você estar se esforçando para representar, por exemplo, cabelos cacheados, e receber uma enxurrada de críticas que em nada vão acrescentar, do tipo "ainda não está bom". Procure grupos e pessoas que realmente estão dispostas a te ajudar (diferente de jogar confete, diga-se de passagem). Criar é um processo íntimo, que requer referências e construções, desconstruções e reconstruções constantes em nossa mente, então cerque-se do que vai fazer diferença ao longo da sua caminhada.

***

Para fechar esse post, gostaria de compartilhar o documentário Mulheres Desenhadas, desenvolvido pela Raquel Vitorelo, para o Curso de Comunicação e Multimeios da PUC-SP. O vídeo mostra a experiência de mulheres que desenham e contou com a colaboração de 59 artistas, que enviaram seus autorretratos. No Tumblr do projeto, é possível ler depoimentos e ter uma dimensão do processo criativo de desenhar, ser desenhada e se autodesenhar. Um trabalho lindo lindo, que merece ser divulgado e mostra que não está morta quem peleia. Parabéns, Raquel!


Abraços,
Lidiane :-)