Praticando o desapego

22/01/15


Já comecei o ano colocando minhas metas em prática, o que dá um impulso enorme na vontade de ver toda a lista riscadinha o quanto antes. Aproveitei uma tarde de sábado para faxinar geral e doar tudo o que não estava utilizando. Vem ver como foi essa experiência e conhecer o resultado!


Estante
Separei todos os livros que não pretendia mais ler, tanto de literatura quanto técnicos, e fiz duas pilhas: doação e venda. É a quarta "edição" desse projeto e sempre consigo me desapegar daquilo que já foi muito útil pra mim, e pode ser pra outra pessoa. Dessa vez, foram mais de 20 títulos, que vendi via Facebook, negociei com um sebo e doei a uma biblioteca.

Revistas
Resolvi tomar uma decisão: não comprar mais revistas impressas. Elas são caras e eu acabo não aproveitando para montar meus lookbooks. Acho mais fácil fazer uma pesquisa no Pinterest, ou montar pastas no meu iPad. As fotos para referência acabam ficando sempre à mão. Doei tudo o que tinha para reciclagem e esvaziei muitas caixas que só ocupavam espaço.


Materiais artísticos
Foi a parte mais difícil de desapegar, então internalizei que sempre pude comprar o mínimo para trabalhar, mas muitas pessoas, principalmente crianças, não. Separei três potes cheios de canetinhas, lápis de cor comum e aquarelável e canetas e lápis de escrever, além de folhas A4 e um sketchbook A3 pouco usado. A doação foi feita para a escola Cidade do Rio Grande - CAIC. Liberei espaço em prateleiras e gavetas, que agora estão arrumadas de acordo com o tipo de material.


O resultado...
Não sinto mais a sensação de guardar coisas desnecessárias. Itens novos, como sketchbooks, foram guardados em caixas e só serão usados depois que eu finalizar os atuais. Também decidi comprar somente livros que fazem parte de séries que já acompanho, tanto para economizar dinheiro quanto para dar conta da minha lista de leitura, com quase 70 títulos!

Penso que o consumo está muito ligado à ansiedade, àquela vontade incontrolável de descontar alguma frustração numa coisa nova, seja no nosso guarda-roupa, na estante ou no próprio corpo. Estou tentando enxergar isso em mim para melhorar. Espero ter motivado mais alguém a praticar o desapego esse ano, lembrando que quem não tem livros ou materiais artísticos pode doar roupas, alimentos ou até mesmo seu tempo, visitando uma instituição ou ajudando a compartilhar coisas do bem. #MenosChorumeEm2015

Abraços,
Lidiane :-)