No meu feed - ago/set 2016 | @lidydutra

20/09/16


Essa é mais uma tentativa de juntar meu feed do Instagram e outras redes sociais aqui no blog e comentar, com um pouco mais de profundidade, as coisas que faço por aí e que, não necessariamente, resultam em projetos ou ilustras finalizadas. São estudos, compartilhamentos, querências, dentre outros assuntos que - acredito - merecem um registro "definitivo". 

A imagem que abre essa postagem é a primeira folha do meu sketchbook para aquarela da Papel Pitanga, marca da querida Isabella Pessoa. Tenho usado ele direto nos meus estudos, e a ilustra foi baseada numa foto da Chelsea Flower Crowns, com supervisão do meu chororô pela própria Bella, que ficou dando dicas para desentortar olhos, abaixar valores, etc.


A Mary Cagnin teve seu projeto Black Silence, uma HQ de ficção científica, totalmente financiado pelo Catarse e eu sou uma das orgulhosas apoiadoras. Essa é a minha fanart da Comandante Ubuntu, personagem principal da história.



Dois estudos baseados em  Alphonse Mucha. Tenho um livro da Editora Criativo com vários sketches de figura feminina desse artista, ótimos para aprender gestual, expressões, caimento do tecido no corpo, além de enriquecer o repertório visual. Estudar os mestres e mestras do passado é tão importante quanto seguir aquele ilustrador maneiro no Insta, até mesmo porque as pessoas que admiramos hoje também buscam as suas referências no ontem. Detalhe para o nariz com calombinho muito amor.


Um dos primeiros testes desse estudo aqui, sobre valores, que não deu certo. Ficou péssimo, de verdade. Além de não conseguir deixar a pele com um tom natural (exagerei no dioxazine e no vermelho), ainda errei feio, errei rude no uso do marcador branco para abrir luz. Mas valeu o aprendizado, depois consegui chegar no resultado pretendido.



Aqui são duas imagens publicadas no Tumblr, amor verdadeiro, amor eterno no quesito qualidade da foto. A primeira, é uma citação que norteou toda a pesquisa de mestrado, e que sempre retorna para minha vida nesses momentos de questionamento do que faço. Acho linda, poética e verdadeira. Já a segunda é a capa do livro Sketching from the imagination, auto-presente que me dei. É um compilado maravilhoso de esboços de vários artistas, com comentários a respeito dos estudos e do ato de cultivar um sketchbook. Tenho degustado aos poucos, pretendo falar dele algum dia por aqui. Consegui retomar o ritmo de leitura após A Arte de Pedir, da Amanda Palmer (que também ganhará resenha).



Mais estudos de aquarela. Ainda sobre valores, fiz um desenho despretensioso somente com sépia, que saiu melhor e mais fresco do que todos os trabalhos finalizados dos últimos quatro anos hahaha. Gostei tanto que insisti na figura (tenho curtido muito fazer o mesmo tema de várias maneiras) e finalmente consegui utilizar dioxazine na pele sem ficar uma cor esquisita. O segredo é "sujar" a cor pura, até chegar num cinza ótico (Santa Sabrina!). Faltou valor, mas é um começo, minha maior frustração é não conseguir trazer para a figura humana tudo o que tenho aprendido em aquarela. Mas agora, vai... Posso mostrar outras imagens do processo, se for de interesse da audiência.


Por fim, uma grata surpresa que tive semana passada. A Laís, do canal Turch3se, me entrevistou por e-mail, e o resultado é o vídeo acima. Fiquei muito feliz com todo o carinho que ela colocou em sua fala e na produção do material. Significa muito para mim ser lembrada assim, pelo trabalho que semeio na internet há mais de seis anos, e ver que encorajo e inspiro outras pessoas. É uma responsabilidade enorme, que não dou conta, mas também uma alegria infinita.

Quem quiser ver todos esses trabalhos em tempo real, é só me seguir no InstagramFacebook e no Tumblr, principalmente. Ou em qualquer outra rede social listada aqui na barra lateral, sou facilmente encontrada pelo meu username: lidydutra.