5 ensinamentos que o MerMay deixou

31/05/17


Eu sempre procuro tirar algum ensinamento de todas as coisas que me proponho a fazer, seja um trabalho comissionado, uma leitura ou um desafio de desenho. Para muitos isso pode parecer bobagem, mas nós somos a soma de todas essas experiências, de nada adianta pagar caro por um curso ou por um material artístico, se o fazer cotidiano não é levado em consideração.

Recebi uma quantidade enorme de feedback durante o MerMay, que há muito tempo não acontecia, talvez porque o público anda saturado de redes sociais e acabou retornando para o blog. Como cada ilustração tinha uma história, um processo e até trilha sonora, foi muito legal acompanhar a reação de quem me segue em diferentes lugares, quais sereias foram mais curtidas, e o quanto as experiências e olhares dos outros completavam meu trabalho. Recebi também muitas dicas de onde poderia melhorar, sugestões de cabelos, corpos, histórias, enfim, foi muito participativo.

Diante disso, resolvi listar cinco ensinamentos que ficaram com o MerMay, assim como fiz durante minha primeira participação no Inktober. Creio que é importante dividir essas experiências porque se nós quisermos ambientes seguros para discutir arte, precisamos criar estes espaços de diálogo. Definitivamente, caixa de comentários de redes sociais não são indicadas para qualquer debate que pretende-se minimamente saudável, então acredito muito nesse movimento de criar aquilo que desejamos ler.
1. Você não é todo mundo: é bem frase de mãe, mesmo, e faz todo o sentido. A primeira "regra" para participar de um desafio de desenho é querer. Faça porque você deseja e se sente bem, não porque todo mundo está fazendo. Se você acha que vai se estressar e tudo virar uma grande obrigação, nem comece. Outra coisa importante é não desenhar para ganhar like. Esse é o grande mal do mundo virtual da arte, as pessoas estão mais preocupadas em ter um retorno em curtidas, do que desenvolver sua técnica e percepção estética. Por isso, não embarque na moda, pense bem se é algo que vai trazer algum retorno efetivo de aprendizado, contatos e satisfação pessoal.
2. Trace um plano de estudos: a pergunta aqui é o que eu quero com esse desafio? Você pode desenhar livremente, ou então fazer um plano de estudo mais elaborado, de acordo com as suas necessidades. Eu, por exemplo, defini que aproveitaria o MerMay para treinar anatomia, gestual e figuras de corpo inteiro, em diferentes posições. A partir disso, defini os materiais que utilizaria, quantas ilustrações faria, os dias das postagens... Ao me organizar, eu criei uma rotina, que foi posta em prática durante o mês de maio. É muito fácil que isso se torne hábito, com o tempo, pois aprendemos a criar um ambiente saudável para estudar.
3. Pesquise referências: não só imagéticas, como também históricas, musicais, folclóricas, literárias. Pense fora da caixa e amplie seu repertório. O resultado não será sentido somente no traço, mas também no seu conhecimento de mundo, e na sua habilidade de desenvolver trabalhos que dialoguem com outras obras. Monte painéis de referência, tanto no Pinterest quanto coletando citações em livros, filmes e canções. Uma das coisas que fiz para o MerMay foi buscar músicas que combinassem com as ilustrações. Pesquisei "mermaid" no Spotify e peneirei tudo o que me interessava. Depois, procurei a letra, vi se realmente tinha relação com o tema, pesquisei nomes para essas personagens, busquei informações em sites e livros sobre mitologia, até criar um mundo para cada uma delas. Muitas pessoas são contra esse método de construção de uma obra, pois creem erroneamente que a ilustração não fala por si, que precisa de bula de remédio, mas não é verdade. Quanto mais escopo você tem, mais oportunidades de trabalho aparecem, pois você mostra que é capaz de contar histórias através do desenho.
4. Faça por você, não pelos outros: é impossível agradar a gregos e troianos, um ditado antigo e bastante aplicável aqui. Entenda que não dá para satisfazer as vontades de todo mundo e, retornando ao primeiro tópico, faça o desafio por você. As pessoas vão sugerir várias coisas ao longo da sua jornada; algumas serão dicas preciosas que farão seu trabalho melhorar, outras serão sugerências que devem ser deixadas de lado. Também haverá quem não goste do que você está fazendo e dirá isso com todas as letras, e tá tudo bem. Ficamos mal no começo, mas é só não dar bola e seguir em frente, não leve para o lado pessoal. Acredito que, novamente, as redes sociais nos tornam viciados em aceitação, e não precisa ser assim. Quando o próprio Tom Bancroft curtiu o tweet com minha Mer-Tea, soube que estava no caminho certo, e isso nos leva ao último item:
5. Tenha respeito por quem criou o desafio: particularmente, vi bastante coisa absurda acontecer durante o MerMay, não sei se porque ele tomou uma proporção maior. O fato é que muitos grupos distorceram o desafio, tinha gente brotando do chão pra cagar regra de como desenhar, e confesso que fiquei bastante assustada. Como já expliquei anteriormente, a ideia original é do Tom Bancroft, que criou uma linda história esse ano, The Mermaid Who Wanted To Fly, e ainda repostou ilustras de vários artistas ao redor do mundo. O que custa respeitar esse cara, que já fez tanta coisa sensacional? A dica sempre é: se um termo bomba na sua time line, vá correndo pesquisar, pois certamente ele foi criado por alguém, e outras pessoas curtiram e estão replicando a ideia. Mas ela tem uma fonte primária, então, busque-a e respeite-a.

Ao longo dessa postagem coloquei todas as minhas artes, para que os leitores pudessem ter uma visão geral de quanto evoluí, da primeira até a última. É importante frisar que nem tudo é lindo e maravilhoso, tem muitos erros e trabalho pesado por trás de cada ilustra. Não é só sentar e fazer, pelo menos para mim. Se é para os outros, maravilha, mas essa não é minha realidade. Estudo pra caramba, leio sobre arte para fazer valer minha formação acadêmica, por isso estou sempre exigindo respeito de quem trabalha com isso, chego a ser a chata do rolê, mas não me importo. Ah, e a sereia mais curtida nas redes sociais foi Lorelei, por isso ela está em destaque! 😉

Veja todos os meus trabalhos profissionais na aba Portfólio e também no Behance.
Me acompanhe nas redes sociais: Facebook - Instagram - Twitter - Tumblr - Pinterest