Estelar II ✨


Lá no começo do ano, antes da pandemia e da suspensão de tantos planos em nossas vidas, eu tinha decidido comemorar os 10 anos do blog redesenhando algumas das ilustrações mais marcantes e mais queridas, tanto por mim, quanto pelo público que acompanha esse modesto espaço. Eu havia selecionado seis trabalhos para fazer a cada dois meses, mas não segui esse percurso. Acabei fazendo quatro: Bruxa, Pirata, o reboot da série de Catrinas e, por fim, cheguei em Estelar.

Há cinco anos atrás, essa galáxia em aquarela seria um divisor de águas para mim, tanto por ter conseguido chegar nos resultados que eu almejava, como por fazer uma ilustra tão pessoal se tornar tão amada, por tantas pessoas. Sem dúvidas, foi a ilustração mais vendida na minha loja, e um dos meus trabalhos mais vistos, tanto aqui, quanto nas redes sociais. Durante a exposição Elementais (2017), tinha lista de espera para o print dela. E foram várias amigas que mandaram fotos de suas camisetas, cadernos, bolsas e canecas com essa estampa.

E foi com um friozinho na barriga que publiquei a foto abaixo, no meu Instagram. Ao mesmo tempo que estava feliz em revisitar uma arte tão significativa, estaria também mexendo com os afetos de quem ama Estelar tanto quanto eu, o que me deixava levemente aflita. Como diz a Elizabeth Gilbert, depois que publicamos nosso trabalho, ele é do mundo, então as pessoas vão reagir a ele, cada uma da sua maneira. Para minha felicidade, as reações foram as mais calorosas possíveis.


Antes de falar sobre a ilustra atual, preciso relembrar fatos importantes sobre a antiga: Estelar chegou num momento muito difícil, a perda do meu cachorrinho Axl, depois de muito lutar contra um tumor. Foi algo que entristeceu toda a família, durante muitos meses. E eu, particularmente, vinha de um momento de insatisfação com meu trabalho, de várias tentativas fracassadas de lidar com aquarela, de muito material jogado fora, e um sentimento de incapacidade muito grande. E foi me deixando levar pelo sentimento que, numa tarde, apareceu uma menininha mirradinha, de pijama, com as mãos no peito, como se estivesse fazendo um desejo, e um enorme cabelo com todas as cores de galáxia que pude colocar.


Dali em diante, Estelar virou meu trabalho de referência. Assim como aconteceu com as Catrinas, agora as pessoas me reconheciam pelas galáxias. Até concurso literário essa ilustra ganhou (sem meu consentimento, o que gerou o maior barraco). Durante anos, peguei muitas encomendas cuja solicitação era: fazer uma galáxia em aquarela. Um dos posts mais acessados do blog é justamente o tutorial que fiz, a partir dessa ilustra (plagiado por várias pessoas e perfis de lojas artísticas). Só que, quanto mais o tempo passava, mais eu percebia os erros anatômicos e o tanto que eu poderia melhorar o desenho (a ideia sempre esteve no ponto, para mim). Então, há duas semanas atrás, tirei uma foto minha de referência e arrumei tudo o que precisava para, enfim, nascer Estelar II:


Não foi fácil chegar no resultado final das cores. Antes dessa, houve duas versões descartadas (uma totalmente, a outra guardei para quando for famosa e valer rios de dinheiro kkkk), pois eu sentia que precisava ser fiel, ao mesmo tempo que deveria adicionar e subtrair coisas. A primeira mudança que faz diferença, para mim, é que estamos diante de uma mulher adulta, e não mais uma criança. Esse é o ponto crucial de Estelar II: o amadurecimento. Do corpo, da mente, do espírito, dos desejos, dos sonhos e esperanças. É algo que realmente me toca (talvez por ter usado uma foto minha como referência? talvez pelo meu momento de vida?) e dá sentido ao restante: agora sua pele tem cor e textura, o pijama branco continua ali, mas sem as bolinhas que o infantilizava, e o cabelo de galáxia foi feito da mesma maneira que o da original, mas com a diferença que escolhi uma paleta de cores menor e mais neutra, além de pegar leve com os efeitos com branco e metálico. O fundo foi feito com guache preto e, também ao contrário da primeira, aqui a textura do papel aparece, o que dá a sensação de vazio preenchido: ela está no escuro, mas não é uma escuridão total. Uma das coisas mais legais é ver as duas ilustrações lado a lado:


Não dá a sensação de que a garotinha cresceu? O Antonio comentou que a forma como o efeito galáxia está organizado dá a impressão de que, na primeira, ela está cheia de dúvidas e, na segunda, não tanto. E isso é sensacional, pois cada um faz uma leitura bastante particular da obra, o que só acrescenta mais camadas de significado.

Outra coisa que mexeu demais comigo foi redigitalizar a primeira ilustra. Logo que me mudei, sem querer, formatei o HD do computador e perdi todos os arquivos. O Antonio conseguiu recuperar tudo, exceto as ilustrações digitalizadas. Foram 10 anos perdidos, alguns recuperei em drives e e-mails para clientes, outros ainda aguardam que eu sente diante do scanner e refaça arquivo por arquivo. E foi dessa necessidade que percebi o quanto eu editava demais e, muitas vezes, chapava o efeito original da pintura. Hoje só faço pequenas correções de cor e de elementos tortos, retiro poeira, aplico o multiply e voilà. De certa forma, foi uma libertação do sentido de perfeição e de limpeza que eu colocava sobre as ilustras.

Materiais utilizados

  • Papel Aquarelle XL Canson;
  • Aquarelas Maimeri, Van Gogh, Cotman e Sennelier;
  • Guache TGA;
  • Pincéis Keramik;
  • Marcadores Sakura;
  • Lápis de cor Polycolor;
  • Verniz para fixar tudo e durar bastante.


E com esse redesenho mais do que especial, encerro 2020, um ano que me fez ter muitos reencontros com meu passado artístico, no qual cada revisita foi a Lidiane de hoje dando um abraço na Lidiane de ontem, dizendo que tá tudo bem. Esse é meu summary of art e estou muito feliz com ele.

Aproveito para dizer que o ciclo de Estelar (a original) na minha loja se encerrou e, a partir de hoje, vocês passam a encontrar a versão atualizada dessa ilustra. Espero que ela desperte os mesmos sentimentos bons que a primeira, e que vocês curtam os produtos que preparei com ela. O link para a Colab55 está aqui.

Se eu pudesse resumir meus desejos para 2021 numa só palavra, seria VACINA. Se cuidem e cuidem dos seus entes queridos. Não vamos relaxar agora durante as festas de final de ano, pois não há leitos nas UTIs para todos, e ainda estamos em meio a uma pandemia. Todo cuidado é preciso. Um grande beijo e até 2021! ✨

Comentários

  1. Oi Lidy! Tudo bem?
    Que saudades que eu estava daqui?!
    Amei esse post e essa releitura!
    Te admiro tanto!
    Beijos S2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lay, tudo bem! Saudades das ruas visitas ❤️ Obrigada pelo carinho comigo e com meu trabalho.
      Beijos!!!

      Excluir

Postar um comentário

Muito obrigada pela visita e por deixar o seu recado. Por favor, leve em consideração a data do post, pois minha opinião pode ter mudado com o tempo, e alguns links podem estar quebrados. Conheça os termos de uso e política de privacidade do blog antes de comentar.

Form for Contact Page (Do not remove)